Cientistas sustentam que as erupções de um ‘supervulcão’, no planalto do Decão, na atual Índia, contribuíram para a extinção em massa de várias espécies há 66 milhões de anos. As espécies mais afetadas poderão ter sido as espécies marinhas, mas os dinossauros também poderão ter sofrido os efeitos. Fica assim em aberto a possibilidade de existirem outras causas para esta extinção destes grandes répteis além do impacto de um meteoro com a Terra.

O vulcanismo de larga escala é uma das causas possíveis de extinção em massa em quatro dos cinco momentos conhecidos na história da Terra, escrevem os autores no artigo publicado na revista Geology. Contudo, esta relação continua controversa porque não é possível estabelecer uma relação direta entre os fenómenos de vulcanismo e as extinções.

O geólogo francês Eric Font, que trabalha no Instituto Dom Luiz, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, e restante equipa, detetou altas concentrações de mercúrio em sedimentos marinhos, associadas ao intervalo temporal coincidente com a extinção dos dinossauros e anteriores aos registos sedimentares de um outro metal, o irídio, elemento químico raro na crosta terrestre e abundante em meteoritos e asteroides. O mercúrio, assinalou o investigador à Lusa, “é um elemento extremamente tóxico para a vida”.

Já se sabia há algum tempo que as lavas do Decão terão tido um grande impacto no clima e biosfera do final do Cretácico, devido à emissão de gases com efeito de estufa e aerossóis ácidos, refere o comunicado de imprensa da instituição. No entanto, pouco se sabia acerca do papel de outros agentes tóxicos, como é o caso do mercúrio. O mercúrio tem um tempo de residência muito elevado na atmosfera e, como tal, deverá ter sido espalhado por todo o globo, tendo um impacto muito significativo nesta extinção em massa.

“As emissões de mercúrio são de interesse global devido à toxicidade extrema, ao longo tempo de permanência e à capacidade de viajar longas distâncias”, referem os autores no artigo. “O maior reservatório na Terra é o oceano, com grandes quantidades de mercúrio provenientes das emissões vulcânicas e da combustão natural e antropogénica de carvão.”

Há 66 milhões de anos, no final do Cretácico, um dos períodos de extinção em massa de espécies, no qual terão morrido 70 a 80 por cento dos seres vivos do ‘planeta azul’, “a fonte mais importante de mercúrio na Terra eram as erupções magmáticas”, advogou Eric Font.

Nesse período, segundo os cientistas, ocorreram as erupções vulcânicas mais intensas no planalto do Decão, e as que deixaram maiores marcas – 80 por cento da ‘montanha’ de lava rochosa hoje visível remonta a esse período. O vulcão existente no Decão tinha o dobro do tamanho da atual França e esteve em atividade durante milhares de anos.

DSC_0044

Vestígios do gigantesco vulcão que existia há 66 milhões de anos no planalto do Decão, na Índia

“Esse vulcanismo é contemporâneo da morte dos dinossauros e, provavelmente, emitiu uma grande quantidade de mercúrio para a atmosfera que, depois, se depositou nos sedimentos marinhos”, apontou Eric Font, lembrando que são os sedimentos (detritos rochosos) – marinhos e terrestres – que dão informação sobre a extinção de espécies como os dinossauros.

A presença de “concentrações anómalas” de mercúrio foi detetada em rochas sedimentares na costa de Bidart, em França, local de referência geológica para o estudo do período Cretáceo-Terciário e onde já tinham sido encontrados vestígios de irídio.

A ‘idade’ desses sedimentos com mercúrio corresponde ao intervalo de tempo equivalente ao período de erupções vulcânicas mais intensas no planalto do Decão e de extinção em massa de espécies, nomeadamente dos dinossauros, de acordo com a investigação coordenada por Eric Font.

“Podemos sugerir a hipótese de que a erupção no planalto do Decão teve um impacto global, à escala da Terra toda, e [que esse impacto] foi registado nos sedimentos marinhos”, disse à Lusa o cientista, explicando que, para demonstrar que “as mudanças climáticas, ligadas às erupções vulcânicas, eram globais”, a equipa teve de procurar vestígios “num lugar muito distante da Índia”, neste caso em Bidart.

De futuro o grupo, que inclui especialistas em análise de fósseis e sedimentos, pretende avaliar a presença de mercúrio noutros locais do mundo com sedimentos da mesma época geológica e perceber quão global foi o impacto das erupções vulcânicas do planalto do Decão e o desaparecimento de espécies.

Atualizado às 15h10.