Os pequenos partidos cabo-verdianos têm apostado nos primeiros dias de campanha em contactos porta a porta, e há quem faça tudo para convencer o eleitorado, mesmo cantar Roberto Carlos para seduzir eleitores descrentes nos políticos.

O caso foi protagonizado pelo líder do Partido do Trabalho e da Solidariedade (PTS), José Augusto Fernandes, no seu concelho-natal, São Domingos, durante a visita da sua comitiva a uma residência.

Mal a equipa do PTS chegou à casa, a dona da casa começou logo o desabado: “Eu agora não voto em nenhum partido para virem enganar as pessoas, porque quando são eleitos não reparam nos coitados e não vêem nada”, desabafou a eleitora, conforme imagens da TCV.

Para amainar o clima, que já parecia tenso, o líder José Augusto Fernandes teve de cantar um excerto da música “Eu te amo”, do brasileiro Roberto Carlos, dizendo que canta todas as músicas do artista porque é romântico, tem “um coração de dor” e é “amigo e tem dor do mundo”.

E de seguida, o líder partidário e a senhora apareceram abraçados, num clima já mais descontraído, a contrastar com a descrença da eleitora de São Domingos perante as propostas dos políticos.

José Augusto Fernandes prosseguiu a sua atividade no concelho que o viu nascer em contacto com o eleitorado de zonas mais desfavorecidas, a quem prometeu apoiar na produção agrícola e combater o êxodo rural, caso seja eleito deputado no próximo dia 20 de março.

Quem também teve de passar por um caso insólito foi o líder do Partido Social Democrata (PSD), João Além, que foi obrigado a suspender a sua atividade de campanha no bairro praiense de Calabaceira por causa de um conflito entre grupos rivais, os denominados “thugs” (“bandidos”), noticia hoje a Inforpress.

João Além disse que não se sentiu intimidado com o incidente, pelo que vai continuar a campanha normalmente, porque o conflito não visava nem a ele nem a sua candidatura, mas sim um dos apoiantes do seu partido.

O líder do PSD reiterou, por isso, a necessidade da formação de consciência dos cidadãos com o objetivo de combater os conflitos entre jovens rivais, reforçando também a sua mensagem de ajuda às famílias para criar “um Cabo Verde diferente”.

Depois de contactos no fim de semana na ilha do Fogo, onde visitou, entre outros, os deslocados da erupção vulcânica de 2014, o líder do Partido Popular (PP), Amândio Barbosa Vicente, voltou à cidade da Praia e na segunda-feira esteve em campanha no mercado provisório no bairro da Várzea.

Segundo Amândio Barbosa Vicente, “o povo tem fome de mudança e de liberdade” e o Partido Popular significa “uma nova forma de fazer política, sem mentiras”.

“Não pretendemos transformar Cabo Verde nos Estados Unidos, mas é possível fazer Cabo Verde um país mais justo, mais inclusivo e mais equilibrado”, disse o líder do PP aos jornalistas durante o contacto com as vendeiras do maior mercado de verduras da capital cabo-verdiana.