Os rebeldes islamitas somalis ‘shebab’ confirmaram hoje à agência France Presse terem sido alvo de ataques aéreos norte-americanos no sábado, mas negaram o balanço de 150 combatentes mortos avançado pelo Pentágono.

“O que o inimigo afirma sobre o número de vítimas dos ataques aéreos é completamente falso”, declarou por telefone à AFP um comandante ‘shebab’, xeque Ibrahim Abu-Ahmed.

“O inimigo disparou vários mísseis durante a noite (de sábado) e existem vários mártires nas fileiras dos ‘mujahidine'”, precisou o comandante, que disse estar no local na altura do ataque.

Classificando o ataque como “cobarde”, Abu-Ahmed disse que tais situações apenas tornam os combatentes “mais próximos de Deus”.”É o desejo de todos os combatentes ‘mujahidine’ serem mortos e tornarem-se mártires”, adiantou.

O Departamento de Defesa norte-americano anunciou na segunda-feira ter morto “mais de 150” rebeldes ‘shebab’ em ataques realizados por ‘drones’ (veículos aéreos não tripulado) contra um campo de treinos daquele movimento extremista na Somália.

Segundo as autoridades norte-americanas, o ataque, realizado no fim de semana, visou rebeldes ‘shebab’ (com ligações à rede terrorista Al-Qaida) que estavam a planear um ataque “em larga escala”.