O Tribunal de Coimbra lê hoje às 10:00 a sentença a um ex-bombeiro de Condeixa-a-Nova que é acusado de ter ateado vários fogos entre março e maio de 2015.

O jovem de 20 anos, que pertenceu aos Bombeiros Voluntários de Condeixa-a-Nova entre 2013 e 2015, é acusado pelo Ministério Público da prática de 12 crimes de incêndio florestal agravado.

Na primeira sessão, o ex-bombeiro confessou perante o tribunal que ateou vários fogos entre março e maio de 2015, todos eles de pequenas dimensões e sem qualquer risco efetivo para casas, pessoas ou viaturas.

O arguido, após atear os fogos, dirigia-se para o quartel dos bombeiros de Condeixa-a-Nova e comunicava ao Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Coimbra, por telefone, as ocorrências, participando depois ativamente no combate aos incêndios.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O arguido admitiu que ateou os focos de incêndio com o objetivo de ganhar experiência, sublinhando que escolhia locais de fácil acesso e longe de povoações.

“Não faz sentido”, observou, mostrando-se arrependido por aquilo que fez, tendo aliás já pago indemnizações a proprietários de terrenos afetados pelos incêndios.

Nas alegações finais, o Ministério Público pediu pena suspensa para o jovem.

Também a defesa concordou com a suspensão da pena, defendendo a desqualificação do crime, passando de agravado para simples, e passando de 12 crimes a um único crime continuado.