O primeiro-ministro, António Costa, elogiou o trabalho de Pedro Santana Lopes como provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, reiterando a “confiança do Governo na equipa” que tomou posse na instituição.

Na sua intervenção na cerimónia, esta manhã em Lisboa, Costa sinalizou a “total disponibilidade” do executivo para trabalhar “em conjunto” com a Santa Casa “tendo em vista o objetivo central da ação desta instituição: combater a pobreza e a exclusão em prol de uma sociedade mais justa”.

E acrescentou: “Vivemos tempos que transportam consigo renovados desafios para a construção de uma sociedade mais justa, inclusiva e solidária”.

Costa falava numa plateia que contava com o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, vários deputados, autarcas locais, vereadores municipais e quadros da Santa Casa.

O chefe do Governo teceu também elogios ao “inestimável contributo” da Santa Casa no “minorar dos efeitos da crise junto dos mais desprotegidos”, nomeadamente crianças, idosos, pessoas sem-abrigo e doentes.

No final da cerimónia, o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, cuja presença não estava anunciada, endereçou também cumprimentos ao provedor da Santa Casa, cumprimentando também António Costa quando este e Santana Lopes abandonavam o interior do edifício da SCML.

O Governo anunciou no início do mês a renovação do mandato da Mesa da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) para o triénio 2016-2019, após a saída de dois elementos, com Pedro Santana Lopes a manter-se como provedor da entidade.

“Na base da renovação está a confiança que o primeiro-ministro e o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, que tutela a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, depositam nos atuais membros da Mesa, bem como uma perspetiva de coesão da equipa dirigente da SCML, após a saída do vice-provedor e de um dos vogais”, explicou o executivo então.

Pedro Santana Lopes, antigo primeiro-ministro e presidente da Câmara de Lisboa, é provedor da Santa Casa desde 2011, e é acompanhado no triénio 2016-2019 por Edmundo Martinho, ex-presidente do Instituto de Segurança Social, como vice-provedor.