Rádio Observador

Economia

Petróleo já não voltará aos preços baixos de janeiro, diz a AIE

Agência Internacional de Energia (AIE) acredita que o "fundo" na cotação já ficou para trás – os mínimos de 27 dólares fixados em janeiro. Desde esse momento, os preços já subiram 46%.

DIAMOND OFFSHORE DRILLING INTERN/EPA

Os preços do petróleo não deverão regressar aos mínimos fixados em janeiro, na casa dos 27 dólares por barril. O prognóstico da Agência Internacional da Energia (AIE) surge numa altura em que a cotação supera os 40 dólares, já registando, portanto, uma recuperação de 46% desde a altura em que esses mínimos foram fixados.

Num relatório divulgado esta sexta-feira, a AIE defende que o colapso dos preços nos últimos anos já está a ter como consequência uma quebra da produção por parte dos países que não pertencem à Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP). Excluindo OPEP, a AIE estima que a produção irá cair em 750 mil barris por dia, em média, ao longo deste ano de 2016. O novo cálculo aponta para uma redução maior do que a AIE previu no mês passado (600 mil barris).

A contribuir para a queda da produção estarão, também, as perturbações no fornecimento de petróleo em países como o Iraque e a Nigéria e, ainda, no Irão – país da OPEP que viu levantadas as sanções económicas mas cuja produção estará a acelerar mais devagar do que se previa.

Petróleo não voltará aos 27 dólares de janeiro

CO1 Comdty (Generic 1st 'CO' Fut 2016-03-11 09-19-30

A cotação do barril de petróleo Brent, negociado em Londres, já recupera 46% desde os mínimos fixados em janeiro.

“Há sinais de que os preços já poderão ter tocado no fundo“, escreve a agência internacional num relatório citado pela Bloomberg. Esse fundo terá sido a cotação na casa dos 27 dólares que se verificou em janeiro – na altura, um mínimo de 12 anos.

Os preços do petróleo têm registado alguma volatilidade nos últimos dias. Na sessão de hoje, a cotação está a subir 1,5% em Londres, para 40,66 dólares. Já ontem, o preço caiu 2,5% com notícias de que poderá não acontecer a reunião entre a OPEP e outros países que não pertencem ao cartel, para debater um eventual acordo para cortar a produção.

A recuperação dos preços do petróleo nas últimas semanas ajuda a explicar porque é que os preços dos combustíveis também se têm afastado dos mínimos do ano. Além disso, cada litro de combustíveis passou a pagar mais 6 cêntimos (mais IVA) com as alterações que o governo fez nos impostos sobre produtos petrolíferos em antecipação à entrada em vigor do Orçamento do Estado para 2016.

Segundo o Jornal de Negócios, esta semana deverá haver mais uma subida dos combustíveis, de cerca de dois cêntimos por litro tanto no gasóleo como na gasolina. A gasolina deverá passar para um preço de referência de 1,313 euros e o gasóleo poderá escalar para os 1,08 euros (preço de referência da Direção-Geral de Energia e Geologia).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)