A bolsa nova-iorquina fechou nesta sexta-feira em alta, com os investidores a seguirem os passos dos homólogos internacionais, numa reação tardia mas lógica às medidas ambiciosas anunciadas na quinta-feira pelo Banco Central Europeu (BCE). Os resultados definitivos da sessão indicam que o Dow Jones Industrial Average valorizou 1,28% (218,18 pontos), para as 17.213,31 unidades, e o Nasdaq 1,85% (86,31), para as 4.748,47.

O índice alargado S&P 500 avançou 1,64% (32,62), para os 2.022,19 pontos. “Foi verdadeiramente uma semana estranha”, reconheceu Alan Skrainka, da Cornerstone Wealth Management, aludindo em particular aos dois últimos dias.

Acontecimento principal da semana, o BCE anunciou na quinta-feira medidas de apoio massivo à economia, como a baixa do conjunto das taxas de juro diretoras e a intensificação das suas compras de ativos, mas, no próprio dia, os investidores nas principais bolsas não exprimiram grande satisfação, salientando, pelo contrário, as afirmações cautelosas do presidente do BCE, Mario Draghi, sobre a evolução conjuntural.

“Não sei por quê, mas os investidores pareciam fixados na ideia de que a descida das taxas de juro tinha acabado… Ora, o BCE tomou medidas muito fortes”, afirmou, surpreendido, Skrainka. “Mas hoje, dir-se-ia que se deram conta a que ponto (o conjunto de medidas) era positivo”.

A bolsa nova-iorquina limitou-se a seguir os movimentos, ainda mais acentuados, das bolsas europeias, diretamente envolvidas, onde o índice Eurostoxx 50 valorizou cerca de 3,5% um dia depois de ter perdido cerca de 1,5%.

Os investidores olham agora para a Reserva Federal dos EUA, porque esta, comprometida com uma via inversa à do BCE, vai esclarecer na quarta-feira se tenciona manter a via de uma subida das taxas de juro, o que representa a retirada gradual dos estímulos à economia.

Por enquanto, em Wall Street, “os principais motores (eram) o reexame das ações do BCE e a subida do mercado petrolífero”, concluiu Art Hogan, da Wunderlich Securities. As cotações do petróleo subiram hoje, terminando mais uma semana em alta, com os investidores a manifestarem otimismo sobre o reequilíbrio do mercado, depois de um relatório mensal da Agência Internacional de energia, que deu conta da redução da produção.