Dois soldados da ONU no Mali foram mortos e um terceiro ficou ferido, no sábado à noite, ao terem sido baleados por um companheiro, informou hoje a missão das Nações Unidas no país (MINUSMA).

“Ontem (sábado) às 19h00, um trágico incidente ocorreu no campo da MINUSMA em Tressalit, na região de Kidal, onde um capacete azul baleou três camaradas. Duas vidas foram perdidas e outro ficou ligeiramente ferido”, refere um comunicado da MINUSMA, que não especifica a nacionalidade dos soldados da ONU envolvidos.

No comunicado, a missão da ONU no Mali adianta que o suspeito foi detido, a segurança no campo foi reforçada e foi aberta uma investigação para apurar as causas exatas do incidente.

Uma situação semelhante aconteceu a 25 de fevereiro último, quando dois soldados da paz do Chade foram mortos no mesmo campo da força das Nações Unidas, tendo sido avançado, na altura, que o tiroteio esteve relacionado com “um acerto de contas”.

A ONU tem no Mali quase 11.700 soldados da paz, sendo os países com contingentes maiores o Burkina Faso (1.742), Bangladesh (1.725) e Chade (1.742).

A operação Minusma, no terreno desde julho de 2013, tem sido a missão de paz da ONU que mais vítimas têm provocado, depois da missão na Somália, entre 1993 e 1995.

Desde 2012 que o norte do Mali passou a ser um centro de conflitos e atentados, realizados por grupos jihadistas com ligações à Al-Qaeda e que são compostos sobretudo por árabes tuaregues que combatem de forma violenta a presença de forças internacionais no Mali.