O ativista angolano Nuno Dala, um dos 17 em julgamento sob a acusação de preparar uma rebelião, está em greve de fome para reivindicar melhorias da situação carcerária e do estado de saúde, disse esta segunda-feira à Lusa fonte familiar.

Nuno Dala, que se encontrava em prisão domiciliária e regressou, na segunda-feira passada, à prisão, por decisão do tribunal, iniciou na terça-feira uma greve de fome, que irá prosseguir “enquanto não resolverem a sua situação”, disse à Lusa a irmã do ativista, Gertrudes Dala.

O regresso de Nuno Dala à prisão foi justificado pela falta de comparecência do réu na sessão de julgamento, na segunda-feira da semana passada, que o juiz considerou desobediência ao tribunal.

Segundo Gertrudes Dala, o ativista, professor universitário e investigador, de 31 anos, encontra-se doente e em greve de fome, sendo preocupante o seu estado de saúde.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Ele está doente praticamente desde que veio da cadeia (e começou a prisão domiciliária), está com gastrite, com problemas na visão e de tensão, já fez várias análises, até agora sem resultado, e nós estamos muito preocupados com o seu estado de saúde”, disse Gertrudes Dala.

Acrescentou que, além dos problemas de saúde, o ativista está igualmente revoltado com a situação financeira que atravessa, já que os cartões de crédito e documentos estão nas mãos da polícia.

“Temos problemas com o pagamento da renda, ele tem uma filha de nove meses e não temos dinheiro, por isso tudo ele está a fazer essa greve de fome”, explicou Gertrudes Dala.

Em declarações à Lusa, uma fonte dos Serviços Penitenciários confirmou a greve desencadeada por Nuno Dala e que o ativista se encontra doente.

A fonte disse igualmente que Nuno Dala compareceu na sessão de hoje no tribunal provincial de Luanda, a pedido do juiz, mas “por estar muito fraco” teve de regressar ao hospital prisão de São Paulo, onde está a receber tratamento médico.

Sobre a greve de fome, a fonte salientou que o ativista tem-se recusado a comer, mas os serviços prisionais têm dado toda assistência ao mesmo.