…And then there were three… Quando há exatamente 38 anos os Genesis de Phill Collins lançavam o seu nono álbum, certamente não estariam a pensar na corrida dos republicanos à presidência dos Estados Unidos, mas depois de muitos meses de campanha, Marco Rubio abandonou a campanha após uma derrota estrondosa contra Donald Trump no seu Estado, a Florida, e juntou-se aos já 14 desistentes à nomeação dos republicanos para a corrida à Casa Branca. Sobram três candidatos do lado dos republicanos, mas Donald Trump tem mais delegados que Ted Cruz e John Kasich, que ganhou no Ohio, juntos.

Foi mais uma terça-feira de grandes emoções nas primárias norte-americanas, especialmente do lado dos republicanos. Florida, Ohio, Missouri, Ilinóis e Carolina do Norte foram a votos e foi mais uma vez Donald Trump que venceu, conseguindo uma margem que o começa a torna o indesejável cada vez mais inevitável.

O mais importante dos Estados, pelo peso político e simbólico na corrida dos republicanos, foi conseguido por Donald Trump na cara de Marco Rubio. A Florida, Estado que elegeu Rubio senador, e que o descendente de cubanos prometeu ganhar apesar de todas as sondagens em sentido contrário que vinha a receber, foi mesmo parar às mãos de Trump, que conseguiu 46% dos votos, contra 27% de Marco Rubio. Resultado: Marco Rubio assumiu a derrota e saiu da corrida. Depois de muitos ataques pessoais, Donald Trump não resistiu e deixou uma provocação no Twitter.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Depois de meses em que o apontavam como o candidato mais desejável pelo partido, e de o próprio se “vender” como o único que podia derrotar Donald Trump, Marco Rubio sai pela porta pequena e com uma derrota no seu próprio Estado. John Kasich, o moderado, sempre o apontaram como um candidato sem o carisma necessário para vencer esta corrida. Ted Cruz, o líder nesta altura do Tea Party, a ala mais radical dos republicanos, era demasiado radical. Donald Trump…é Donald Trump. Mas no fim, quem acabou por cair foi mesmo o (ex-) delfim de Jeb Bush.

John Kasich ainda ganhou no Ohio, o Estado onde é governador, e mantém-se na corrida, embora a uma grande distância dos dois primeiros candidatos. O governador beneficia agora dos 75 delegados que conseguiu esta terça-feira e da demonstração de força no seu próprio Estado, algo que Rubio não logrou alcançar.

Ted Cruz não ganhou um único Estado e sai desta terça-feira com apenas mais 25 delegados entre os 258 que estavam em disputa, permitindo a Donald Trump alargar (e muito) a sua vantagem.

E por último, o grande vencedor da noite, mais uma vez, Donald Trump, que afasta um dos seus mais ferozes críticos e consegue 152 delegados, mais 127 que Ted Cruz, que vai em segundo lugar. The Donald venceu três dos cinco Estados em disputa – Florida, Ilinóis e Carolina do Norte – e tem vantagem sobre Ted Cruz no quarto – Missouri – onde está muito perto de ganha também, mas no qual a diferença de votos é muito pequena.

Donald Trump conta agora com o apoio de 621 delegados e está a pouco menos de metade de conseguir os 1.237 que precisa para conseguir a nomeação para disputar a Presidência dos Estados Unidos com Hillary Clinton, que parece também cada vez mais inevitável.

Como vai a corrida às primárias

Resultados eleições EUA

Fonte: The New York Times

O lado dos democratas há muito que está reduzido a uma luta a dois e, apesar de Bernie Sanders ter vindo a mostrar mais força que o esperado inicialmente, a noite de terça-feira deu uma importante vantagem a Hillary Clinton que ganhou quatro Estados em disputa (no quinto, o Missouri, tal como para os republicanos, os números dão um quase empate, com vantagem para a senadora).

Hillary Clinton conseguiu o apoio de 326 deputados, contra 220 conseguidos por Bernie Sanders, e aumenta a sua vantagem para 1.094 delegados, contra 774 delegados de Sanders.

No caso dos democratas a situação é um pouco diferente. Hillary Clinton precisa de 2.383 delegados para vencer a nomeação e a sua vantagem parece mais curta do que no lado republicano, mas os líderes do Partido Democrata são livres de apoiarem quem quiserem, independentemente dos resultados das eleições primárias e maior parte destes 712 superdelegados já declararam apoio a Hillary Clinton. Nesta luta, Hillary tem o apoio declarado (que pode ser alterado se estes assim o entenderem) de 467 superdelegados e Bernie Sanders de apenas 26.