Desde o final de 2014, quando os EUA e Cuba reiniciaram as relações diplomáticas, tornou-se mais fácil para os norte-americanos visitar Cuba. Ainda assim, o turismo de americanos não é permitido na ilha.

Contudo, depois dos avanços feitos na passada terça-feira, viajar para Cuba é mais fácil para os cidadãos dos EUA que se insiram em uma das 12 categorias. Também vão ser permitidas viagens educativas de “pessoa para pessoa”, o que significa que já não é necessário aderir a uma viagem de grupo, normalmente muito dispendiosas, com os horários muito rígidos.

As 12 categorias que autorizam a visita a Cuba de cidadãos dos EUA são estas:

-Visitas familiares

-Negócios oficias do governo dos EUA

-Reunião e investigação profissional

-Atividades religiosas ou educativas

-Apoio ao povo cubano

-Atividade jornalística

-Projetos humanitários

-Competições desportivas

-Governos estrangeiros e algumas organizações intergovernamentais

-Atividades de fundações privadas e institutos educativos

-Exportações, importações ou transmissão de informações

-Algumas transações de exportação autorizadas

No entanto, é relativamente acessível encaixar o motivo da viagem em alguma destas categorias, apesar de haver sempre coisas que os norte-americanos, por enquanto, não podem fazer. Beber um mojito na praia ou passear pela parte velha da cidade de Havana ainda não são atividades legalmente aceites pois são traduzidas como turismo puro. Desde dezembro de 2014, as viagens de cidadãos americanos para Cuba aumentaram 55%.