O “Jornal Sporting”, órgão oficial do clube de Alvalade, fez um artigo sobre o “onze fora das quatros linhas”, com nomes de jornalistas e comentadores relacionados com o Benfica. João Gabriel, o diretor de Comunicação do Benfica, é o “capitão” deste onze e o principal visado, sendo comparado ao ministro da propaganda nazi. Contactado pelo Observador, João Gabriel referiu que o caso está entregue aos advogados.

Os nomes que constam no artigo, como João Gobern, Rui Gomes da Silva ou Pedro Guerra, foram referidos por Augusto Inácio, diretor de Relações Internacionais do Sporting, no programa “Playoff”, da SIC, no domingo dia 13 de março. Inácio acusa-os de serem manipuladores de informação e de terem “bombardeado o Sporting para tentar desestabilizar”, disse o próprio diretor leonino.

O jornal dos leões coloca os onze visados no campo de futebol e atribui uma posição a cada um, acompanhados de pequenos textos que explicam os principais motivos de fazerem parte desta “máquina de propaganda”, lê-se no parágrafo inicial.

O diretor de Comunicação do Benfica, João Gabriel, é especialmente referido em um texto à parte, onde é comparado com Joseph Goebbels, Ministro da Propaganda na Alemanha nazi.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“‘De tanto repetir uma mentira, ela acaba transformando-se em verdade’, reforçou várias vezes Joseph Goebbels, ministro da propaganda de Hitler. E se tivermos vários locutores e escribas a repetirem a mensagem vezes sem fim, tanto melhor. Seguindo a cartilha de Goebbels, o capitão dos ‘onze’ fora das quatro linhas orquestra a doutrina que chega a cada um dos peões que, na sua maioria, são pagos pela própria máquina, direta ou indiretamente”.

O órgão de comunicação do Sporting considera João Gabriel o “maestro da propaganda” e refere que é conhecido por duas razões: “o Twitter e a dívida de 2,8 milhões de euros que deixou na última empresa da qual foi diretor”.