Literatura

Prémio Literário Fundação Inês de Castro para Armando Silva Carvalho

A Fundação Inês de Castro decidiu entregar o seu prémio literário ao poeta Armando Silva Carvalho pela obra "A sombra do mar", de 2015. J.B. Martinho recebeu um prémio pela sua carreria.

Para além de Armando Silva Carvalho, Fernando J. B. Martinho será distinguido com o Tributo de Consagração, pela sua obra completa.

Thomas Meyer / Global Imagens

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Prémio Literário Fundação Inês de Castro distingue este ano, por unanimidade, o poeta Armando Silva Carvalho, pela obra “A sombra do mar”, e atribui o Tributo de Consagração à obra de Fernando J.B. Martinho. A informação foi avançada pela instituição.

A obra “A sombra do mar” foi escolhida “por ser a que mais originalidade e qualidade estético-literária” apresentou, “entre as obras publicadas em 2015”, justifica a Fundação, em comunicado enviado à agência Lusa.

O júri decidiu ainda distinguir o conjunto de obras do autor Fernando J.B. Martinho, com o Tributo de Consagração, um prémio de carreira.

O catedrático jubilado de Letras da Universidade de Lisboa, J. B. Martinho, nascido em 1938, em Portalegre, cujos “trabalhos têm incidido especialmente sobre a Poesia Portuguesa Contemporânea”, foi Leitor de Português nas Universidades de Bristol, no Reino Unido, e da Califórnia, em Santa Barbara.

A cerimónia de entrega do galardão está agendada para o dia 02 de abril, pelas 16:00, na Quinta das Lágrimas, em Coimbra, com as intervenções dos poetas Pedro Mexia e José Carlos Cortês, que fizeram parte do júri.

Armando Silva Carvalho receberá um troféu em prata e pedra, da autoria do escultor João Cutileiro, que “simboliza todo o drama e mistério que rodeia o episódio de Pedro e Inês”, refere a Fundação.

A obra “A sombra do mar” foi publicada pela editora Assírio & Alvim, e, afirma a Fundação em comunicado, “tem sido elogiada pela crítica e pelos leitores”, acrescentando a crítica feita pelo jornal i, que a definiu como “um livro exímio na forma como estranha o comum degenerado, em que o peso da idade é propulsor do gesto criativo, conferindo-lhe uma segurança própria para rasgar caminho, entre a sensatez, na urdidura do poema e a fulgurância do seu despiste verbal”.

Armando Silva Carvalho, a completar 78 anos no próximo dia 28, nasceu em Olho Marinho, no concelho de Óbidos, e é licenciado em Direito, pela Universidade de Lisboa. Exerceu advocacia por pouco tempo, optando em seguida pelo jornalismo, depois pelo ensino, a publicidade e pela tradução.

A sua obra tem vindo a ser reconhecida pela crítica e distinguida com diversos prémios, como o Grande Prémio de Poesia APE, o Prémio PEN Clube, o Prémio Fernando Namora e o Grande Prémio DST Literatura, realça a Fundação.

Além de Pedro Mexia e António Carlos Cortez, o júri do Prémio Literário Fundação Inês de Castro/2015 foi composto pelo catedrático de Letras José Carlos Seabra Pereira, que presidiu, e ainda pelo escritor Mário Cláudio e pelo poeta Fernando Guimarães.

Esta é a 9.ª edição do Prémio Literário Fundação Inês de Castro, que já distinguiu obras de autores portugueses como Pedro Tamen, (2007), José Tolentino Mendonça (2009), Gonçalo M. Tavares (2011) Mário de Carvalho (2013) e Luís Quintais (2014), entre outros.

Com o Tributo Consagração foram distinguidos Urbano Tavares Rodrigues (2007), António Osório de Castro (2008), Manuel Alegre (2009), Vasco Graça Moura (2010), Fernando Echevarria (2011), Almeida Faria (2012), Gastão Cruz (2013) e Nuno Júdice (2014).

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)