Rádio Observador

Assembleia Da República

Mosteiro dos Jerónimos deverá ter estatuto de Panteão Nacional

218

PS quer dar honras de Panteão ao Mosteiro dos Jerónimos - onde estão nomes como Luís de Camões, Fernando Pessoa, Vasco da Gama ou Alexandre Herculano. Proposta vai ser votada para a semana.

Manuel Almeida/LUSA

O PS quer que o Mosteiro dos Jerónimos tenha honras de Panteão Nacional e apresentou uma proposta de alteração à lei para esse efeito. É onde estão sepultados os restos mortais de personalidades como Luís de Camões, Fernando Pessoa e Vasco da Gama e, como tal, os socialistas consideram que “representa um papel incontornável na valorização da memória histórica coletiva portuguesa”. O projeto de lei vai ser discutido e votado na Assembleia da República na próxima semana.

Trata-se apenas de uma “alteração cirúrgica à lei”, disse ao Observador o deputado socialista Pedro Delgado Alves, responsável pela matéria. A proposta legislativa já tinha sido feita pelo grupo parlamentar do PS no ano passado, mas acabou por caducar por não ter sido votada dentro do período da legislatura. Agora, o PS volta à carga.

“Considerando quer o papel que o Mosteiro dos Jerónimos desempenhou, transitoriamente, enquanto Panteão Nacional de facto durante grande parte dos séculos XIX e XX, quer, em particular, devido à presença dos referidos restos mortais de Luís Vaz de Camões, Vasco da Gama, Alexandre Herculano e Fernando Pessoa, que
aí se encontram sepultados e que veriam reconhecidas formalmente, por esta via, as honras de Panteão que lhe são devidas, apresenta-se este pontual alteração à Lei n.º28/2000, de 29 de novembro, reconhecendo o estatuto de Panteão Nacional ao Mosteiro dos Jerónimos”, lia-se no projeto de lei apresentado pelo PS em março do ano passado.

A verdade é que, até terem sido concluídas, em 1966, as obras na Igreja de Santa Engrácia (Panteão Nacional), era a Sala do Capítulo, nos claustros do Mosteiro dos Jerónimos, que servia a função de Panteão Nacional albergando os restos mortais das personalidades consideradas merecedoras dessas honras. Em 2003 também a Igreja de Santa Cruz, em Coimbra, passou a ter o estatuto de Panteão Nacional, uma vez que é lá que estão sepultados D. Afonso Henriques e D. Sancho I.

Agora, a Assembleia da República prepara-se para alterar a lei de forma a “reconhecer o estatuto de Panteão Nacional ao Mosteiro dos Jerónimos” sem prejuízo das honras que já são concedidas às duas igrejas referidas.

Nos últimos anos, o Parlamento aprovou a trasladação para o Panteão Nacional da fadista Amália Rodrigues (2001), do escritor Aquilino Ribeiro (em 2007), da poetisa Sophia de Mello Breyner Anderson (2014) e do futebolista Eusébio da Silva Ferreira (2015). Na altura da trasladação dos restos mortais de Eusébio a discussão foi acesa sobre as personalidades que mereciam ou não estas honras. Aristides de Sousa Mendes, Salgueiro Maia ou Zeca Afonso eram alguns dos nomes falados.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)