Mário Centeno e Carlos Costa vão ter de explicar na Assembleia da República a atual situação de venda do Novo Banco. O requerimento para audição do ministro das Finanças e do Governador do Banco de Portugal foi aprovado com os votos do PS, PCP e BE com a abstenção de PSD e CDS.

A intenção é ouvir os dois responsáveis pelo processo de venda do Novo Banco, ainda em curso. O Governo tem como prazo agosto de 2017 para decidir o que fazer com o banco que resultou da separação do BES em dois. Na comissão, PS e PCP concordaram com a intenção dos bloquistas e votaram a favor. PSD e CDS não se opuseram. Os sociais-democratas querem no entanto evitar que o debate seja puxado para o espaço público, dado que se trata de um negócio financeiro, mas acabaram por não se opor à viabilização das audições. O CDS também se absteve.

PCP e BE defendem que este deve ser nacionalizado e lançaram o debate para a praça pública logo a seguir às eleições presidenciais.

O Bloco de Esquerda apresentou um requerimento na Comissão de Orçamento e Finanças para ouvir os dois responsáveis porque quer ter explicações sobre as “incertezas que marcam este processo, bem como a sua importância estratégica e simbólica para o país”, lê-se no requerimento apresentado pelo BE. Os bloquistas querem que a Assembleia da República esteja “a par de todas a movimentações para vender um dos bancos mais importantes do sistema”.