Páscoa é sinónimo de fim de semana prolongado, de longos almoços com a família e de concertos onde a grande maioria dos alinhamentos inclui a Oratória de Páscoa de J.S. Bach. Mas, se gosta de música clássica, a festividade também pode servir de desculpa para ir ver um, ou até dois, concertos (e para fugir da quantidade excessiva de chocolate e doces que paira sobre as mesas nesta altura do ano). E o que não falta são boas sugestões. Por esse motivo, o Observador selecionou algumas, de norte a sul do país.

Norte e Centro

Na Casa da Música, no Porto, os festejos pascais começaram cedo. Depois de na terça-feira a Remix Ensemble e o Coro da Casa da Música terem interpretado peças de Erkki-Sven Tüür, Alfred Schnittke, entre outros compositores, esta quinta-feira a Orquestra Barroca, sob a direção musical de Alfredo Bernardin, irá apresentar um programa dedicado ao tema da “Morte e Ressurreição”. O concerto, cujo alinhamento irá incluir o Concerto para oboé em Ré menor de Alessandro Marcello, a sonata al Santo Sepolcro de Antonio Vivaldi e a cantata BWV 56 de Johann Sebastian Bach, irá contar com a presença do cantor lírico Peter Kooij, um dos nomes de referência da música barroca.

Também esta quinta-feira, a Orquestra do Norte vai dar um concerto de Páscoa na Igreja da Misericórdia, no Porto, às 18h. O reportório inclui duas peças de Antonio Vivaldi e a Sinfonia nº 49 em Fá Menor, “La Passione”, de Joseph Haydn. A direção musical estará a cargo de Manuel Teixeira. A solista será a soprano Liliana de Sousa. No dia seguinte, a orquestra irá juntar-se ao Coro Sinfónico Inês de Castro em Coimbra para interpretar o Requiem de Johannes Brahms. O concerto, marcado para as 18h na Sé Velha da cidade, terá direção musical de José Ferreira Lobo. Ana Pinto será a soprano de serviço e Rodrigo Carvalho o barítono.

No mesmo dia, a Orquestra Filarmónica das Beiras e o Coro da Sé Catedral do Porto irão atuar na Igreja da Lapa, no Porto. Será tocada uma única peça — a Passio Domini Nostri Jesu Christi, Op. 65, de Józef Elsner, compositor polaco conhecido por ter sido professor de Frédéric Chopin. A dirigir estará Tiago Ferreira. O início do concerto está marcado para as 21h30.

Sul

E porque na Páscoa não pode faltar Bach (da mesma forma que no Natal não pode faltar Tchaikovsky), esta quinta-feira o maestro Nicholas Kraemer e a Orquestra Metropolitana de Lisboa vão juntar-se ao coro Voces Caelestes e a quatro cantores líricos portugueses para interpretarem uma cantata e a oratória de Páscoa do compositor alemão. Durante o concerto, marcado para as 21h no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém, os espectadores terão ainda oportunidade de ouvir a violinista Ana Pereira interpretar o famoso Concerto em Lá maior de Bach.

Em Almada, o Auditório Municipal Fernando Lopes Graça vai receber esta sexta-feira a Orquestra Sinfonietta de Lisboa. Fundada em 1995, a Orquestra Sinfonietta tem como objetivo principal divulgar a música clássica do século XX, em particular de compositores portugueses contemporâneos. A sua direcção está a cargo de Vasco Pearce de Azevedo (maestro titular) e António Lourenço (maestro adjunto). O concerto de Páscoa terá início às 21h30. A entrada é livre.

Para este fim de semana, a Orquestra Clássica do Sul tem dois concertos programados — um no sábado, na Igreja Matriz de Moncarapacho (19h), e outro no domingo, na Igreja do Carmo de Tavira (18h). O alinhamento, construído à volta do tema “Vida e Morte”, inclui uma das mais emblemáticas sinfonias de Haydn, a Sinfonia nº 44, “Fúnebre”, cujo adagio foi tocado no funeral do compositor a seu pedido. Esta será intercalada por um ciclo de canções de canções de Hector Berlioz. Os dois concertos contarão com a participação do cantor lírico Rui Baeta. A direção musical estará a cargo de Rui Pinheiro.