Banda Desenhada

Quinteto fantástico: escolhidos à medida para salvar o mundo

191

A propósito da estreia de "Batman vs Super Homem", Filipe Melo, o criador da BD "Dog Mendonça e Pizzaboy" - gente que também luta contra as forças do mal - escolhe os seus vingadores favoritos.

Batman é, possivelmente, o super-herói com a evolução histórica mais rica e variada

Autor
  • Filipe Melo

Atenção: para que este artigo faça sentido, é importante esclarecer duas questões:

A primeira é que não sou um consumidor regular de banda desenhada — só por alguma falta de paciência, gosto de ler tudo de seguida, por isso dedico-me mais a histórias completas e graphic novels do que a publicações mensais. Porém, como fiz um par de livros de BD, as pessoas pensam que sou um entendido, e vou aproveitar-me dessa fama: afinal, quantas oportunidades é que vou ter para falar de super-heróis num jornal?

A segunda questão importante é: como definir o que é um super-herói? Eu diria que um super-herói é alguém extraordinário, alguém que se destaca dos demais humanos por alguma razão. Alguns terão super-poderes, outros não, mas a vida é assim mesmo. O Batman, por exemplo, apesar de ser um detective fora de série, destaca-se dos demais principalmente por causa da sua conta bancária que lhe permitiu construir uma cave espectacular. Assim sendo, faço aqui uma lista de cinco super-heróis que fazem a diferença.

BATMAN

dark knigh

É impossível fazer uma lista de super-heróis sem incluir o Batman e, houvesse uma lista mundial, seria possivelmente o primeiro desse pódio. Este famoso justiceiro entrou no meu imaginário através do filme homónimo de Tim Burton, de 1989. A densidade emocional do homem-morcego e do seu alter ego Bruce Wayne é, acima de tudo, uma matéria prima fortíssima, e é talvez essa a razão pela qual vê a sua história revisitada e reinterpretada ao longo dos anos. É, possivelmente, o super-herói com a evolução histórica mais rica e variada, e muito provavelmente a personagem mais vezes desenhada na história dos comics. Na BD, esta evolução é especialmente clara: desde as histórias de Bob Kane, à saga de Ra’s al Ghul (Dennis O´Neil e Neal Adams) passando pelo colossal The Dark Knight Returns, de Frank Miller, até à mais recente Night of the Owls (Scott Snyder e Greg Capullo), que vamos assistindo à forma como a própria narrativa evoluiu e deixou de ser uma simples história de entretenimento, tornando-se literatura ilustrada. Batman teve um papel essencial no desenvolvimento da indústria e na sua própria passagem à idade adulta.

Batman também foi um veículo essencial para enriquecimento da linguagem do cinema e do audiovisual — desde o universo kitsch da série de 1966 com Adam West à recuperação do seu lado negro com os filmes de Tim Burton, sem esquecer a fenomenal série de animação de Bruce Timm, Batman regressaria ao abismos num uniforme com mamilos em “Batman e Robin” de Joel Schumacher. No entanto, a trilogia de Christopher Nolan voltou a restabelecê-lo como uma das maiores figuras da cultura pop de todos os tempos, de carácter intemporal e transgeracional. Batman é tão popular que chegou a dar origem a uma série de televisão — “Gotham” — em que já não precisa sequer de assumir o papel protagónico.

A profunda tragédia de que foi vítima quando era criança — o cruel assassinato dos seus pais à sua frente — fez de Batman a personagem tão sombria e tão humana que todos adoramos e com a qual empatizamos. Como justifica Kevin Smith: “We can’t all be Superman, but we sure as shit can train hard, and with loads of practice, we can be Batman.” Ou seja, nunca vamos poder ser o Super-Homem, mas o Batman, com jeitinho, talvez.

TOXIC AVENGER

toxic avenger

O Toxic Avenger (também conhecido como O Vingador Tóxico) é uma escolha muito insólita e pessoal. Criado em 1984 por Lloyd Kaufman para o filme com o mesmo nome, “Toxie” é um mutante que usa um tutu de bailarina e tem uma esfregona como arma – a explicação: quando Melvin Junko, um pobre empregado de limpeza do ginásio de Tromaville é humilhado por um grupo de bullies, opta por se atirar por uma janela, usando essa insólita indumentária.

Feliz ou infelizmente, aterra num camião de resíduos tóxicos. Nasce assim o invencível Toxic Avenger — super herói de voz suave e de trato cortez, responsável por algumas das sequências gore mais hilariantes da história do cinema. Nos anos seguintes, esta personagem tornou-se um fenómeno de culto e viria a protagonizar três sequelas, uma série de animação para crianças (“Toxic Crusaders”) e uma banda desenhada editada pela Marvel.

[leia aqui uma entrevista recente de Lloyd Kaufman ao Observador]

ROBOCOP

Frank-Miller-Robocop

Em terceiro lugar, outro herói que teve a sua origem no cinema — foi criado para o filme do visionário realizador Paul Verhoeven, que será homenageado este ano no festival IndieLisboa. Não sendo exactamente um super-herói tradicional, Robocop segue os cânones típicos deste tipo de história. Tal como The Punisher, Blade ou o próprio Batman, a história de Robocop é uma história clássica de vingança.

Alex Murphy, um polícia de Detroit, é assassinado por um gang de perigosos meliantes. Uma equipa de cientistas decide transformá-lo num híbrido entre homem e máquina, dando ao famoso slogan do filme: “Parte homem, parte máquina… completamente polícia”. Porém, a parte humana vai ganhando terreno e sede de sangue, e segue-se um death toll verdadeiramente impressionante que o leva até às mais altas esferas da corrupção.

Robocop viajou para a banda desenhada (passando por várias editoras como a Marvel ou a Dark Horse Comics), para a televisão (em animação e imagem real), e para jogos de computador. Infelizmente, nenhum destes produtos conseguiu manter a magia do filme original, forte em crítica social e com um avançado conceito estético e narrativo. Nem mesmo a mente brilhante do argumentista Frank Miller, envolvido em duas das sequelas, viria a conseguir salvar a herança de Robocop. A esperança dos fãs ressurgiu em 2014, com o anunciado remake de José Padilha, o original realizador de “Tropa de Elite”. Porém, os estúdios derrotaram o realizador — o resultado final é um parente muito pobre do Robocop original. Padilha voltou a estar em topo de forma com a série “Narcos”, da Netflix, fazendo-nos imaginar o que o seu filme poderia ter sido se lhe tivessem dado a merecida liberdade criativa.

HELLBOY

hellboy

Hellboy é uma criação original de Mike Mignola, concebida em 1991 e editada pela primeira vez em 1993. A intenção original de Mignola era a de criar uma espécie de Liga da Justiça constituída por insólitas criaturas sobrenaturais. Assim surge a BPRD, uma agência que combate ameaças do oculto e investiga o paranormal. Enquanto concebia as personagens, surge o primeiro esboço de Hellboy, baseado na figura do seu pai e nas histórias sinistras que este contava. Este esboço faz com que Mignola decida dar especial atenção a esta personagem.

Na narrativa, de forte influência Lovecraftiana, os monstros são os heróis. O estilo simples e carismático do desenho de Mignola tranformaram os livros num fenómeno de culto quase imediato.

Hellboy é o nome terrestre de Anung Un Rama, um demónio bem intencionado e simpático que, enquanto criança, é invocado e capturado por Rasputin, que o entrega aos Nazis durante a Segunda Grande Guerra. É posteriormente salvo pelo exército americano e torna-se então funcionário da BPRD. As autoridades consideram-no “humano honorário”, e, apesar da sua insólita e gigante estatura, pensa e age como um adolescente: tem um sentido de humor ácido e muito mau feitio.

É um dos anti-heróis mais queridos de qualquer leitor assíduo de comics. Foi também adaptado ao cinema — e reza a lenda que quando o realizador Guillermo del Toro e Mignola decidiram conferenciar sobre quem seria o actor perfeito, a resposta foi em uníssono — Ron Perlman. E assim foi, apesar da insistência dos estúdios para que o actor Vin Diesel ficasse com o papel.

BARBARELLA

Barbarella-1960-artwork

Como já não vou para novo, e para fechar este artigo em grande, escolho a Barbarella, rainha da galáxia. Faço-o por duas razões. A primeira: é a única representante desta lista criada na Europa. A segunda: é a única mulher entre as minhas escolhas, e é a minha forma de combater esse misógino mundo dos super-heróis. Criada em 1962 pelo francês Jean-Claude Forest, tornou-se um best-seller imediato. Seguiu-se o escândalo: era um dos primeiros comics para adultos da história. Embora a personagem fosse baseada na figura de Brigitte Bardot, o papel de Barbarella no cinema foi entregue à jovem Jane Fonda. O filme, ironicamente, seria realizado por Roger Vadim, marido de Bardot.

Viajante intergaláctica, sensual e destemida, Barbarella apresentou-nos vários planetas e raças alienígenas (e a muitas outras coisas que não poderei aqui referir) quando foi exibida na RTP no início dos anos 80. A forte componente estética, visual e sonora de Barbarella viria a deixar as suas marcas na cultura pop — um jovem David Gilmour, guitarrista dos Pink Floyd, era um dos músicos de sessão de gravação da banda sonora. O maléfico criminoso Durand Durand viria a inspirar o nome de uma das mais inovadoras bandas de sempre. E por todas estas razões, Barbarella merece um lugar neste pódio, tanto que garanto que qualquer luta com os acima mencionados teria garantidamente nela a vencedora.

Filipe Melo é, em conjunto com Juan Cavia, autor da série de BD “As Aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy”

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)