Rádio Observador

Banco de Portugal

Governador do Banco de Portugal acumula supervisão prudencial após saída de Varela

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, vai ficar com o pelouro da supervisão prudencial, depois de António Varela ter renunciado ao mandato a 7 de março.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, vai ficar com o pelouro da supervisão prudencial, depois de António Varela ter renunciado ao mandato a 7 de março.

O Diário da República publica esta segunda-feira uma delegação de competências, segundo a qual o Departamento de Supervisão Prudencial vai ficar com Carlos Costa.

A deliberação especifica que a decisão foi tomada pelo conselho de administração do regulador na reunião de 14 de março.

A Lusa contactou fonte oficial do Banco de Portugal mas esta não quis fazer quaisquer comentários.

António Varela apresentou a 7 de março o pedido de renúncia ao Governo, conforme a lei prevê, segundo um comunicado do regulador bancário então divulgado, que não especifica as razões da saída.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)