A gigante petrolífera brasileira Petróleo Brasileiro SA (Petrobras), marcou para dia 28 de abril uma assembleia-geral para eleger o novo presidente do conselho de administração, anunciou a empresa num comunicado ao mercado.

De acordo com o comunicado, a reunião vai decorrer no Rio de Janeiro em 28 de abril, cerca de uma semana depois de notícias que davam conta de que o atual presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, vai ser o presidente do gigante alimentar BRF.

Presidente da Petrobras desde fevereiro e membro do Conselho de Administração, Aldemir Bendine foi presidente do Banco do Brasil por seis anos, já depois de ter sido diretor-executivo da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), segundo o site da Petrobras.

A saída de Aldemir Bendine acontece numa altura em que a empresa, assoberbada com dívida, está a tornar-se menos arriscada para os investidores por causa da valorização de quase 8% do real face ao dólar este ano.

De acordo com a agência de notícias financeira Bloomberg, os investidores estão a encarar a empresa com um olhar mais positivo, apesar das enormes perdas dos últimos trimestres e das consequências políticas e económicas do escândalo de corrupção ‘Lava Jato’.

Os títulos de dívida da Petrobras, no valor de 1,6 mil milhões de dólares que serão pagos em março de 2017, viram a taxa de juro exigida pelos investidores cair quase seis pontos percentuais desde o pico atingido em meados de janeiro, demonstrando assim a descida de risco sobre o pagamento.

A empresa tem uma dívida que ronda os 21 mil milhões de dólares que terão de ser pagos nos próximos quatro anos, pelo que uma subida do real face ao dólar torna os pagamentos mais fáceis, embora continue muito vulnerável às variações cambiais, já que a quase totalidade desta dívida terá de ser paga na moeda de referência mundial.

No último trimestre do ano passado, a empresa registou um prejuízo de 10,2 mil milhões de dólares.