Rádio Observador

Banco de Portugal

Banco de Portugal corta previsões de crescimento deste ano e do próximo

384

Economia deverá crescer 1,5% em 2016, o mesmo que no ano passado. Previsão anterior do Banco de Portugal era de 1,7%. Em 2017, o crescimento também deverá ser menor do que o previsto.

MÁRIO CRUZ/LUSA

A economia deverá crescer 1,5% em 2016, o mesmo que no ano passado. A previsão anterior do Banco de Portugal era de 1,7%. Em 2017, o crescimento também deverá ser menor do que o previsto. O governo prevê um crescimento de 1,8% em 2016, pelo que o Banco de Portugal tem uma previsão mais pessimista em três décimas.

As previsões atualizadas do Banco de Portugal apontam para um crescimento de 1,5% em 2016 e 1,7% em 2017. De acordo com dados divulgados pelo Banco de Portugal esta quarta-feira, 30 de março, a economia deverá crescer 1,6% em 2018 – esta é a primeira vez que surge uma previsão para 2018.

Eis o quadro do Banco de Portugal sobre as projeções atualizadas para o crescimento económico.

bdp

O Banco de Portugal prevê uma “continuação de um crescimento moderado da atividade económica, globalmente em linha com a evolução atualmente projetada para o conjunto da área do euro”.

Na nota sobre as projeções da economia portuguesa 2016-2018 divulgada, o BdP dedica um capítulo à análise dos riscos para a atividade económica, apontando “a eventual necessidade de adoção de medidas adicionais para cumprir os objetivos orçamentais, o que se traduziria numa redução da procura interna face ao cenário base, nomeadamente em 2016”.

Para 2016 antecipa-se um crescimento de 1,5%, semelhante ao registado em 2015, num quadro de deterioração do enquadramento internacional – não obstante a orientação acomodatícia da política monetária – de desaceleração do investimento empresarial e de resiliência do consumo privado corrente”.

Estas previsões da instituição liderada por Carlos Costa para 2016 e 2017 têm em conta as medidas incluídas no Orçamento do Estado para 2016, esclarece o Banco de Portugal. Mas o cenário está “rodeado de vários riscos descendentes”, afirma o Banco de Portugal, destacando, além da eventualidade de novas medidas, a possibilidade de um menor crescimento da atividade e dos fluxos de comércio internacional e a possibilidade de novas tensões nos mercados financeiros.

Relativamente a 2018, projeta-se um abrandamento da atividade para 1,6%, o que traduz a manutenção de constrangimentos estruturais sobre o crescimento potencial da economia portuguesa, com destaque para o elevado endividamento dos setores privado e público.”

bdpbdpbdp

A previsão do Banco de Portugal “revela alguns dos constrangimentos que se continuam a colocar à economia portuguesa: o elevado endividamento privado e público, a evolução demográfica adversa, as distorções existentes nos mercados de trabalho e do produto, o nível de investimento insuficiente e a diminuição do crescimento tendencial nos principais mercados de destino das exportações portuguesas”, nota a instituição liderada por Carlos Costa.

Governo prevê crescimento de 1,8%

O Governo espera que a economia portuguesa cresça 1,8% este ano, de acordo com a previsão que incluiu no relatório que acompanha o Orçamento do Estado para 2016.

Esta projeção é mais otimista do que a dos credores internacionais, embora as estimativas da Comissão Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI) não considerem ainda a versão final do orçamento para este ano.

Em fevereiro, a Comissão Europeia reviu ligeiramente em baixa a previsão de crescimento de Portugal, para os 1,6% este ano, e manteve a projeção de crescimento para 2017, nos 1,8%.

Já as projeções mais recentes do FMI datam também de fevereiro deste ano, altura em que a instituição liderada por Christine Lagarde piorou as suas projeções para a economia portuguesa, antecipando um crescimento de 1,4% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano e de 1,3% no próximo.

Os três objetivos que devem reger a política económica

“A trajetória passada e projetada para o PIB sugere que medidas destinadas a estimular o crescimento económico de curto ou médio prazo devem subordinar-se a políticas que se orientem por três objetivos”, recomenda o Banco de Portugal.

Eis os três pontos:

  • “O primeiro é a necessidade de garantir uma trajetória descendente para o nível da dívida pública, atualmente próximo de 130 por cento do PIB, como forma de assegurar, no futuro, capacidade para absorver choques negativos na economia portuguesa”;
  • “O segundo é a necessidade de avançar com reformas estruturais tendo em vista, em particular, a robustez da economia real e do sistema financeiro e o aumento dos incentivos à inovação e à mobilidade de recursos, ao mesmo tempo que se assegura a previsibilidade do quadro fiscal e institucional”;
  • “Por último, é necessário preparar as gerações presentes e futuras para uma economia competitiva e crescentemente complexa, por meio de políticas de desenvolvimento do seu potencial humano”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)