O Conselho Eleitoral Provisório (CEP) do Haiti prometeu na quarta-feira, horas depois da sua formação, que vai organizar eleições “honestas, transparentes e inclusivas”.

O Presidente interino do Haiti, Jocelerme Privert, nomeou oficialmente na quarta-feira os nove membros do novo conselho eleitoral que vai ter a missão de dar continuidade o processo de eleições que deve culminar com a escolha do futuro governante do país.

A nomeação teve lugar um dia depois de a constituição do Governo provisório do primeiro-ministro Enex Jean Charles e após uma reunião do Conselho de Ministros.

O novo conselho eleitoral tem menos de um mês para organizar a segunda volta das eleições presidenciais previstas para 24 de abril, segundo o acordo firmado entre o Parlamento e o ex-presidente Michel Martelly, cujo mandato foi concluído a 07 de fevereiro sem ter sido eleito o seu sucessor.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Haiti vive uma crise política devido ao adiamento das eleições presidenciais que terminou, a 14 de fevereiro, com a nomeação do titular do Senado, Jocelerme Privert, como Presidente interino

O Haiti previa realizar a 24 de janeiro a segunda volta das presidenciais, mas foram adiadas dois dias antes pelo Conselho Eleitoral devido à deterioração da segurança e às ameaças de morte contra quase todos os membros daquele organismo.

A primeira volta foi a 25 de outubro, apesar de a oposição ter rejeitado os resultados por considerá-los fraudulentos.

Os candidatos que obtiveram mais votos foram Jovenel Moise, do Partido Haitiano Tet Kale (PHTK, no poder), e Jude Celestin, da Liga Alternativa para o Progresso e Emancipação Haitiana (LAPEH, oposição).

Celestin recusou participar na segunda volta, marcada para 27 de dezembro, devido “às graves irregularidades” no processo eleitoral, o que contribuiu também para que o CEP tomasse a decisão, também naquela altura, de suspender as eleições.