Arqueologia

A descoberta que pode reescrever a história dos Vikings no Novo Mundo

114

Há indícios de que um segundo local na América do Norte tenha sido povoado por Vikings, um achado com potencial para reescrever o início da história daquele continente.

Hulton Archive/Getty Image

Ao que tudo indica, há fortes indícios de um segundo sítio com presença Viking na América do Norte, na ilha canadiana de Newfoundland. Até agora, o primeiro e único povoado Viking confirmado no continente foi o descoberto em 1960, em L’Anse aux Meadows — 500 quilómetros separam um local do outro.

A descoberta em causa marca o ponto oeste mais distante da exploração nórdica do outro lado do Atlântico alguma vez conhecido, adianta um artigo publicado na National Geographic esta quinta-feira, 31 de março.

Em junho do ano passado, uma equipa de arqueólogos foi atraída a esta parte remota do Canadá depois de imagens de satélite terem relevado aquilo que poderiam ser indícios de atividade humana no passado. O “tesouro” descoberto, adianta a mesma publicação, foi um forno de pedra usado para trabalhar ferro, um achado com potencial para reescrever o início da história da América do Norte.

Escreve o jornal britânico The Telegraph que a descoberta de restos de metal — que datam entre 800 e 1200 anos depois de Cristo — podem dar mais credibilidade à alegação de que foram os Vikings, e não Cristóvão Colombo, os primeiros exploradores europeus a desbravar as Américas.

O achado é da responsabilidade da “arqueóloga espacial” Sarah Parcak da University of Alabama — que detém uma bolsa da National Geographic –, que liderou uma equipa de outros arqueólogos com a missão de começar uma série de escavações no local em causa, depois dos indícios deixados pelas imagens recolhidas via satélite. O local, conhecido como Point Rosee, foi inicialmente descoberto em junho do ano passado.

Os arqueólogos ainda não têm provas suficientes para confirmar que os vestígios encontrados têm mão-de-obra Viking, até porque outras pessoas ali viveram em tempos, mas nem por isso deixam de estar muito otimistas.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)