Rádio Observador

Património Cultural

O novo centro cultural de Coimbra é um convento

352

Convento de São Francisco abre portas esta semana, depois de obras de reabilitação. Com um programa cultural intenso, o espaço será gerido pela Câmara de Coimbra e pretende colocar a cidade na agenda.

Autor
  • Bruno Horta

Os equipamentos culturais de Lisboa e do Porto tornaram-se termo de comparação para quase tudo o que é feito em outras cidades portugueses. O Convento de São Francisco, em Coimbra, com abertura oficial agendada para sexta-feira, dia 8, não escapa à moda.

“Em termos de dimensão, é comparável ao Centro Cultural de Belém”, sublinha Carina Gomes, vereadora da cultura da Câmara Municipal de Coimbra. “O projeto tem três componentes: a antiga igreja, os claustros do convento e um novo auditório com 1225 lugares, além de várias salas polivalentes até 100 lugares”, explica a autarca (o grande auditório do CCB, em Lisboa, tem 1429 lugares). “Em plena utilização, o Convento pode ter à volta de cinco mil pessoas em simultâneo”, acrescenta.

São estes alguns do argumentos que levam a Câmara de Coimbra a falar em “mega-equipamento cultural”, cujo orçamento anual ronda dois milhões de euros, provenientes do orçamento do município: metade para programação, metade para gestão corrente.

Em conversa com o Observador, a vereadora diz que o Convento de São Francisco será capaz de atrair pessoas da cidade e da região centro, mas também do resto do país e até mesmo de Espanha. Perante críticas de algumas figuras da cultura de Coimbra, responde que está a trabalhar “em estreita colaboração com todos os agentes culturais”.

Por enquanto, a programação cultural não está entregue a uma direção artística ou a curadores. “Nesse aspeto, quem toma as decisões é o executivo: o presidente da Câmara, eu, o diretor de departamento e os nossos consultores”, pormenoriza a Carina Gomes, adiantando as linguagens artísticas que serão contempladas: circo contemporâneo, jazz e blues, música clássica e contemporânea, artes digitais, música eletrónica, pop e rock.

Sem festa de inauguração e com o objetivo de testar o espaço e o público, o programa dos primeiros três meses está quase fechado. Custa 250 mil euros, segundo a vereadora. A primeira proposta é apresentada esta sexta-feira: o espetáculo Dos Bichos, da companhia de teatro O Bando, baseado na obra de Miguel Torga e encenado por João Brites – com a particularidade de a peça ter sido apresentada neste mesmo espaço há 26 anos, no âmbito da Bienal Universitária de Coimbra.

Ainda este mês, a peça António e Maria, do Teatro Meridional; o espetáculo de dança Cara, de Aldara Bizarro; Mão Morta em dupla com a orquestra clássica Remix Ensemble; JP Simões; Pedro Burmester e Mário Laginha; e uma Mostra Internacional de Novo Circo.

O pianista Michael Nyman atua em maio, Maria Rita canta em junho. Também em junho vai acontecer um Festival de Música Eletrónica e Artes Visuais Digitais.

Alguns espetáculos não vinham a Coimbra por não haver condições de acolhimento”, reflete a vereadora Carina Gomes. “A cidade passa a estar posicionada nestas rotas internacionais e os artistas ou espetáculos que só podem estar em Portugal em duas ou três datas passam a vir também a Coimbra.”

Da fábrica aos congressos

Situado na margem esquerda do rio Mondego, junto ao parque temático Portugal dos Pequenitos, o Convento de São Francisco data de início dos século XVII e em 1888 passou a funcionar como fábrica de lanifícios, que ali se manteve até aos anos 1980.

O edifício seria comprado pela Câmara de Coimbra em 1995 e conheceu vários projetos de reabilitação que nunca avançaram. O mais recente, lançado em 2010, sofreu atrasos devido à descoberta de ossadas no subsolo e a inundações durante a empreitada. Só agora as obras se aproximam do fim.

O arquiteto Carrilho da Graça fez uma intervenção nos claustros do convento, dando origem a um grande auditório que será inaugurado esta semana. O custo da obra ascendeu a 40 milhões de euros, de acordo com a autarquia, e foi paga com verbas da União Europeia.

Nos próximos meses deverão estar prontas as obras na igreja do convento e na zona envolvente, que incluirá um parque de estacionamento. Esta componente ficou a cargo do arquiteto Gonçalo Byrne.

À semelhança do que aconteceu, por exemplo, em ano recentes no Teatro Virgínia, em Torres Novas, a vereadora da cultura de Coimbra quer envolver a população local em alguns do espetáculos a apresentar no Convento.

O nosso desejo é que as pessoas se apropriem do espaço e o sintam como seu. Sempre que haja possibilidade, vamos acolher residências artísticas e envolver os agentes culturais da região, profissionais ou amadores, nas produções que vierem de fora”, explica. Exemplo disso é a participação da banda filarmónica da freguesia de Taveiro na peça Dos Bichos.

Esta filosofia é também uma forma de rebater as críticas de que a Câmara tem sido alvo por parte de artistas e programadores da cidade, incluindo Abílio Hernandez, que presidiu à iniciativa Coimbra Capital Nacional da Cultura 2003. Em declarações à agência Lusa, o antigo professor universitário diz que “há uma recusa do presidente da Câmara [Manuel Machado] em proceder a uma discussão aberta do projeto”.

A vereadora da cultura vê as críticas como “normais e saudáveis”, mas reconhece a “relativa sensação de desconhecimento” dos coimbrões. Garante, no entanto, que o novo equipamento “não vem fazer qualquer tipo de concorrência” à oferta já existente. “Estamos a trabalhar em estreita colaboração com os agentes culturais, seja com o Teatro Gil Vicente, seja o Jazz ao Centro ou a Escola da Noite”, afirma.

A atualização tecnológica do espaço é uma das características que Carina Gomes mais destaca. “Passamos a ter aqui um equipamento com tecnologia de ponta, do grande auditório à mais pequena sala.”

Além da programação cultural, a Câmara quer que o Convento de São Francisco ganhe protagonismo como centro de congressos e palco de eventos, o que implica o setor do turismo e poderá beneficiar os negócios locais. É também uma forma de financiar o espaço.

“Naquele grande grande auditório é possível ter um quinteto de cordas num dia e a apresentação de um modelo de automóvel no outro”, resume a vereadora.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Património Cultural

Arquitectados para a arqueologia

Rui Lino Ramalho
162

Esta triste história com final feliz esconde mais do que o ainda escondido Cromeleque dos Almendres: esconde também alguns sintomas alarmantes da nossa cultura, cada vez mais digitalizada e impessoal.

Ministério da Cultura

Quadros que não sabem estar

Gonçalo Sobral Martins
445

Depois do real estate de Sócrates que não é de Sócrates, dos quadros da «Coleção Berardo» que não são de Berardo, temos agora as 170 obras do Estado que "apenas precisam de uma localização mais exata"

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)