Três embarcações foram totalmente consumidas pelo fogo que deflagrou durante a madrugada na doca do Bom Sucesso, em Belém, Lisboa, e uma quarta sofreu estragos, mas encontra-se a flutuar, disse fonte da Capitania do Porto de Lisboa.

Numa das embarcações em que deflagrou o fogo estava um jovem – que tinha autorização para estar a bordo -que sofreu queimaduras graves. A vítima deslocou-se para casa de amigos, antes da chegada dos meios de socorro ao local. Só mais tarde foi assistido no hospital de Santa Maria, em Lisboa, disse em declarações aos jornalistas Malaquias Domingues, comandante da Capitania do Porto de Lisboa.

O jovem, filho do proprietário do barco, foi entretanto transferido para um hospital do Porto.

“Temos três embarcações de recreio, tipo iate, que foram consumidas praticamente no seu todo pelo fogo e naufragaram. Existe uma quarta que, apesar de estar a flutuar, apresenta estragos significativos”, disse à Lusa o comandante da Capitania do Porto de Lisboa.

O incêndio ao início da madrugada de hoje em embarcações atracadas na doca do Bom Sucesso, em Belém, Lisboa, foi extinto pelas 1h45m e não causou vítimas.

A mesma fonte adiantou que a Polícia Marítima vai abrir uma investigação para tentar apurar as causas do incêndio, cujo alerta foi dado às 23h55m por um grupo de jovens que circulava na zona, via 112.

Segundo Malaquias Domingues, neste momento “a intenção é apurar o máximo de informação que possa levar a algumas conclusões preliminares sobre o que possa ter acontecido”, avançando que foi criado um perímetro na zona da ocorrência e a qualquer momento a Policia Judiciaria (PJ) estará no local a fazer as primeiras diligências.

Ainda de acordo com o responsável o grupo de mergulhadores forenses “está pronto para apoiar as necessidades da PJ”.

Segundo o responsável, o incêndio terá tido início numa embarcação, alastrando depois a outras duas, tendo-se registado várias explosões, a última das quais cerca da 1h15m.

Até ao momento ainda não a origem do incêndio ainda não foi apurada, o inquérito está sob a alçada da Polícia Judiciária, com a colaboração da Polícia Marítima.

Notícia atualizada às 11h20m.