Rádio Observador

Música

Sabe o que é o queercore? Rui Eduardo Paes explica

145

Está publicado o primeiro livro português dedicado a um subgénero musical que sempre viveu nas margens. O queercore não morreu, mas a ideologia está combalida. Descubra alguns exemplos.

Os californianos Hunx and His Punx fizeram do queercore um "sarcasmo desbocado"

Autor
  • Bruno Horta

Quando o punk aparece, Rui Eduardo Paes é ainda adolescente. Tem agora 55 anos e nos idos de 1980 não só não apreciava aquele estilo musical como o considerava excessivo. A custo, por influência do irmão e dos programas de rádio de António Sérgio, acabou por aderir.

Só muito mais tarde, ou seja, há poucos anos, descobriu o queercore. “Sabia que havia essa linha e conhecia algumas bandas, mas só cheguei lá através das minhas pesquisas constantes sobre o pensamento anarquista e pós-anarquista. Deparei-me então com o pensamento queer académico e cheguei ao queercore”, explica ao Observador.

Se queer é um conceito estabelecido nos anos 80 para falar de minorias sexuais e pessoas fora das convenções, e se punk hardcore é um género musical considerado mais agressivo do que o punk, fácil será concluir que queercore mistura os dois.

“O queercore surge em inícios dos anos 1980”, explica Rui Eduardo Paes. “Teve o seu auge na década de 90, mas continua até hoje. Nasceu no Canadá, depois chegou aos EUA, e foi criado por pessoas LGBT [lésbicas, gays, bissexuais e transgénero] que gostavam de rock e punk mas rejeitavam o chauvinismo e o machismo destes estilos”, acrescenta. “Ao mesmo tempo, eram pessoas cansadas da identificação dos homossexuais com a música de Liza Minnelli, Barbra Streisand e outras intérpretes. Quiseram reagir a isso.” O contexto e as bandas deste subgénero estão agora explicadas no livro Anarco-Queer? Queercore!.

anarco queer core

A editora é a Chili Com Carne, fundada em Lisboa em 1995 e essencialmente dedicada à banda desenhada e à ilustração. O livro “a” maiúsculo com círculo à volta, de 2013, também de Rui Eduardo Paes, está na origem da nova obra. “É a continuação do trabalho que tenho feito sobre a relação entre música e anarquismo”, resume o autor.

Com capa de Carles G.O.D. e ilustrações e grafismo de Bráulio Amado, Astromanta, Hetamoé, Joana Estrela, Joana Pires e Rudolfo, Anarco-Queer? Queercore! aparenta ser um fanzine – a preto e branco, com erros propositados de impressão e aspeto artesanal. A opção é óbvia: a estética fanzine está associada ao movimento punk e no início serviu de suporte à militância queer.

A linguagem é informal e o texto, por vezes sexualmente explícito, informa e faz crítica ao mesmo tempo. Numa época de informação imediata na internet, o livro terá o mérito de a juntar, contextualizar e por em perspetiva.

Ao longo de cinco capítulos, Rui Eduardo Paes fala, de forma quase exaustiva, das bandas que deram corpo ao queercore, teoriza sobre anarquismo, pensamento libertário e música, e relata a evolução do estilo em torno da pop e da eletrónica, assim como das artes plásticas e visuais.

“Acho que a minha escrita se caracteriza desde há muitos anos por contextualizar a música, buscar razões para as músicas serem aquilo que são, ou não são, e por fazer a ponte entre isso e conceitos filosóficos e das ciências sociais”, enquadra o crítico.

Depois de dezenas de nomes canadianos, norte-americanos e britânicos, a última página deixa uma nota portuguesa: “Este livro não refere quaisquer bandas queercore portuguesas” porque “simplesmente, não existem ou não se deram a conhecer”. Próximas do estilo, são citadas apenas duas: Panelas Depressão e Vaiapraia & As Rainhas do Baile.

Também nas últimas páginas, uma conclusão pouco abonatória sobre o panorama atual: “O hardcore queer ainda resiste, mas resiste porque está na defensiva, porque está fraco.”

Ao Observador, Rui Eduardo Paes explica a frase. Começa por dizer que o queercore “está hoje afastado das premissas originais, com muitas bandas a esquecerem o ativismo queer e os princípios libertários e anarcas desta frente musical”. No fundo, acrescenta, “foram apropriadas pelo sistema e pela indústria.”

“Mas não podemos generalizar demasiado, porque há grupos cujos elementos continuam a ser militantes da causa e já não procuram apenas emancipação da sexualidade, preocupam-se com várias questões políticas”, conclui.

Por ordem cronológica, apresentamos agora algumas das bandas de que fala o livro, com a respetiva descrição breve feita pelo autor (cuidado com o volume).

Dicks – “The Dicks Hate the Police” (1980)
Conhecidos pelos “textos pró-socialistas” do líder da banda, Gary Floyd.

Tribe 8 – “Wrong Bathroom” (1996)
“As canções tratavam de questões como o sado-masoquismo, a sua atitude era de desafio às ortodoxias feminista e lésbica.”

The Dead Betties – “Hellevator” (2007)
“Música intensa, violenta até, letras arrasam todas as normas sociais mainstream

Hunx and His Punx – “You Don’t Like Rock ‘n’ Roll” (2009)
“Nunca levam a sério seja o que for. Já não é de humor pop que se trata, mas de sarcasmo desbocado.”

Nü Sensae – “I’m a body” (2010)
“Ganharam peso com o rock brutalista, quase noise, do álbum TV, Death and the Devil e publicam uma newsletter semanal feita tipograficamente e enviada não por e-mail, mas à maneira antiga das organizações de extrema esquerda: por correio.”

Gay for Johnny Depp – “What Doesn’t Kill You, Eventually Kills You” (2011)
“O grupo foi um dos poucos do chamado queercore que, em anos mais recentes, ainda justificavam a parte core do nome desta tendência.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)