Política

Barroso pede “definitiva estabilização” da banca em Portugal

Antigo presidente da Comissão Europeia adverte para os riscos de se prolongar a situação de instabilidade no sistema financeiro. E diz que Guterres tem "batalha muito difícil" para chegar à ONU.

Durão Barroso lembrou o que fez para estabilizar o setor financeiro quando esteve na Comissão Europeia

JOÃO RELVAS/LUSA

O ex-presidente da Comissão Europeia diz que não conhece a solução proposta pelo primeiro-ministro, mas defende que “algo deve ser feito em Portugal para resolver as questões dos bancos. Há muito que se fala nisso, a situação da banca continua difícil apesar de todos os esforços feitos. Com certeza que é do interesse português e europeu que se encontre uma solução, que haja plena confiança na banca portuguesa”.

Barroso esteve na Universidade Católica Portuguesa, na Cimeira das Democracias, e foi à margem do encontro que falou na necessidade de “olhar para a definitiva estabilização do sistema financeiro”, já que se trata “do principal meio de financiamento da economia. Se os bancos continuam com retração, isso limita a capacidade de investimento” do país”.

Este fim-de-semana, numa entrevista à TSF e ao Diário de Notícias, António Costa defendeu a criação de um veículo para limpar a banca dos ativos de má qualidade. “Temos de trabalhar com as instituições regulatórias, com as instituições financeiras na resolução dos chamados Non Performing Loans [crédito malparado] e acho que era útil para o país encontrar um veículo de resolução do crédito malparado, de forma a libertar o sistema financeiro de um ónus que dificulta uma participação mais ativa nas necessidades de financiamento das empresas portuguesas”, disse o primeiro-ministro.

Questionado pelo jornalistas sobre esta solução, Barroso afirmou que a desconhece e evitou estender-se mais sobre o que deve ser colocado em cima da mesa, lembrando apenas o que fez como presidente da Comissão Europeia e “as propostas para União Bancária que já estão postas em prática com o sistema integrado para a supervisão, ou o sistema integrado de resolução”. O antigo presidente da Comissão Europeia alertou para os “ativos tóxicos que os reguladores nacionais não declararam” e os efeitos quando se tornou público: “Conduziu a situação de retração do financiamento da economia”. Mas Barroso também adverte que a instabilidade na banca “não é o único problema. Considero essencial prosseguir com as reformas estruturais para aumentar a competitividade”.

Caminho “difícil” de Guterres

O ex-presidente da Comissão Europeia falou ainda na candidatura de António Guterres a secretário-geral da ONU – o ex-PM português é ouvido esta terça-feira em Nova Iorque – acredita que António Guterres “tem condições” para ser secretário-geral da ONU e que a eleição é possível, mas também avisa que “é uma batalha muito difícil”. Durão Barroso explica porquê: “Há muitos países que defendem que deve ser uma mulher” a suceder a Ban Ki-moon no cargo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Política

Podemos falar de coisas sérias?

Salvador Furtado

Outubro já não está assim tão distante, e o governo sabe isso. Mas o assunto da maior carga fiscal de sempre? E o da corrupção? E o de sermos um dos países com um dos piores crescimentos da zona euro?

Política

A direita está em crise?

Fernando Leal da Costa

A crise da direita é conjuntural e resolver-se-á com a lógica darwiniana de adaptar-se para sobreviver. O primeiro problema a resolver é pois adaptar-se às circunstâncias sem que isso a descaracterize

Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
364

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)