O escritor peruano Mario Vargas Llosa afirmou, na segunda-feira, que se Keiko Fujimori chegar à presidência do Peru “a ditadura será legitimada”, em referência aos anos no poder do pai da candidata, Alberto Fujimori.

“O que é que acontece se a senhora Fujimori vencer as eleições? (…) A ditadura será legitimada”, afirmou o escritor peruano, na Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos da América, em Washington, após receber um galardão em reconhecimento pela sua carreira literária.

Keiko Fujimori foi a mais votada nas eleições presidenciais de domingo, mas não obteve a maioria necessária para formar Governo, pelo que haverá uma segunda volta a 5 de junho.

O Nobel da Literatura tinha manifestado anteriormente o seu apoio ao ex-ministro Pedro Pablo Kuczynski, que foi o segundo candidato mais votado e que ainda aspira chegar à presidência.

A primeira volta das eleições realizou-se enquanto Alberto Fujimori, que foi Presidente do Peru entre 1990 e 2000, cumpre uma pena de 25 anos de prisão por crimes de violação dos direitos humanos e corrupção.

“A minha grande esperança é a de que, nessa segunda volta, Pedro Pablo Kuczynski vença. Não é fácil, mas é possível”, sublinhou Vargas Llosa, apontando que espera que a “cegueira” desapareça, porque a eleição de Fujimori seria “um grande erro” que teria “consequências políticas, económicas e sociais”.

Alberto Fujimori derrotou nas eleições de 1990 o próprio Vargas Llosa.