O ritual de uma dieta pode ser frustrante quando os resultados não se tornam visíveis. É que largar os doces às refeições e entregar-se devotamente às alfaces também exige esforço, e quando ele não se reflete no desaparecimento daquela gordura a mais na barriga as coisas começam a complicar-se. Pois bem, saiba que talvez não tenha dado atenção a um aspeto muito importante: as horas. É que tão decisivo quanto aprender o que comer se está a tentar emagrecer é perceber quais são os melhores horários para comer.

De acordo com Gad Asher, um professor do Instituto da Ciência de Weizmann, a melhor hora para se alimentar é quatro horas depois do nascer do sol. Em Portugal, isso corresponde ali por volta das 11h. Conforme a explicação que avançou o especialista ao Daily Mail, esta é a altura do dia em que o corpo consegue processar melhor a gordura e os açúcares em excesso. E o segredo está dentro das nossas células: quatro horas depois do nascer do sol, os componentes responsáveis por conferir energia à célula – as mitocôndrias – estão em pleno funcionamento. É também isto o que acontece com as enzimas de que o corpo dispõe para processar os açúcares que consumimos. Toda esta atividade significa que é também a altura do dia em que o corpo pede mais comida.

Estes resultados foram conseguidos depois de uma experiência com ratos. A equipa liderada por Gad Asher alterou os ciclos de sono de uma amostra dos bichos para que estivessem mais ativos durante a noite. Descobriram que os níveis de absorção de proteínas e de decomposição de gorduras e açúcares são constantes. Mas esses níveis variam conforme a atividade dos ratos: os que comiam só à noite, quando ativos, consumiam as mesmas calorias que aqueles que também comiam de dia, mas os níveis de lípidos eram 50% mais pequenos.

É por isto que Asher nos deixa dois conselhos: comer apenas quando sentimos necessidade (o corpo lá sabe) e nunca quando sabemos que vamos estar em repouso (por exemplo, antes de ir dormir).