Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma juíza do tribunal de Almada decidiu libertar um cidadão estrangeiro detido por suspeitas de abuso sexual agravado de uma menina de 13 anos. O suspeito, de 24 anos, até tinha viagem marcada para o seu país de origem, mas a magistrada considerou não haver perigo de fuga para prendê-lo preventivamente.

Segundo o comunicado da Polícia Judiciária (PJ), o crime de que é suspeito ocorreu em finais de 2014. Uma fonte policial explicou ao Observador que o agressor trabalhava com a mãe da vítima numa agropecuária na zona do Montijo. Eram cidadãos de Leste que viviam com compatriotas em casas arrendadas nos arredores do local de trabalho.

Depois de conhecer a vítima pessoalmente, o suspeito acabou por estreitar relação com ela através da internet. Horas de conversas virtuais e acabou por vir o “namoro” e, depois “as relações sexuais”. O agressor ter-se-á encontrado com a menina de 13 anos na casa dele, mas acabou por atacá-la com violência.

“Do abuso cometido, resultaram sequelas físicas e psicológicas para a vítima, que recebeu tratamento hospitalar, faltou às aulas durante vários dias e se auto mutilou”, descreve a PJ em comunicado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Só mais tarde, e quando percebeu que as hemorragias não passavam, é que a menina terá contado o que aconteceu à mãe. Por vergonha, recusou ir à escola e chegou mesmo a cortar os pulsos, na tentativa de pôr termo à vida. “Mãe e filha acabaram por mudar de casa, porque ambas sentiam vergonha”.

A Polícia Judiciária constituiu o suspeito arguido, mas acabou por detê-lo só esta semana. Como partilhava casa com vários compatriotas “foi difícil localizá-lo”, diz a fonte. O suspeito tinha uma viagem de ida e volta marcada para o seu país de origem, o que para a Polícia pode constituir uma oportunidade de fuga.

Presente ao tribunal de Almada para aplicação de uma medida de coação, a magistrada acabou por libertá-lo. Obrigou-o a entregar o passaporte dentro de cinco dias, proibiu-o de se ausentar do País e de contactar com a vítima.