A chama dos Jogos Olímpicos Rio 2016, que decorrem entre 5 e 21 de agosto, já foi acesa, cumprindo todos os rituais, na cidade grega de Olímpia, ‘berço’ dos Jogos Olímpicos da Antiguidade.

“Hoje estamos a fazer história. Estes Jogos Olímpicos serão uma mensagem de esperança em tempos difíceis, esta chama irá levar essa mensagem ao mundo”, disse Thomas Bach, presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), pouco antes de a chama ter sido acesa, às 10:52 (hora de Lisboa).

Nas ruínas do templo de Hera, na antiga cidade de Olímpia, a atriz grega Katerina Lehou, no papel de grande sacerdotisa, acendeu a chama, utilizando a ‘skapia’, uma espécie de espelho côncavo que converge os raios solares para determinado ponto.

A chama, que chegará ao estádio olímpico a 05 de agosto, para a cerimónia de abertura, foi depois entregue ao antigo ginasta grego Leftheris Petrounias, campeão mundial e europeu de argolas, que a entregou ao brasileiro Giovane Gavio, antigo voleibolista.

A portuguesa Rosa Mota, medalha de ouro na maratona feminina dos Jogos Seul88, vai no dia 26 de abril, na Grécia, transportar a tocha olímpica

A antiga atleta portuguesa, que ocupa atualmente o cargo de vice-presidente do COP, vai correr com a tocha olímpica na cidade de Maratona

Ainda antes de sair da Grécia, a tocha passará por um centro de refugiados em Atenas, como forma de alertar para o drama dos migrantes que tentam atravessar o mar Mediterrâneo para chegar à Europa.

Depois da Grécia, a tocha olímpica segue para a sede do COI, em Lausana, na Suíça, e tem chegada ao Brasil agendada para 03 de maio, com início do percurso em Brasília.