A exportação de petróleo de Angola para a China caiu 22% no último trimestre de 2015, em termos homólogos, segundo o mais recente relatório sobre o comércio externo elaborado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) angolano.

De acordo com o documento, a que a Lusa teve acesso, a China continua a liderar entre os países de destino das exportações angolanas, essencialmente petróleo, tendo comprado 410.694 milhões de kwanzas (2,2 mil milhões de euros) a Angola entre outubro e dezembro de 2015.

O relatório do INE refere ainda que a China tem uma quota de 45% de todas as exportações angolanas, que no último trimestre de 2015 ascenderam, no total, a 912.699 milhões de kwanzas (4,8 mil milhões de euros), contra os 1,037 biliões de kwanzas (5,5 mil milhões de euros) do terceiro trimestre ou os 1,162 biliões de kwanzas (6,2 mil milhões de euros) dos últimos três meses de 2014.

No espaço de um ano, globalmente, as exportações angolanas caíram 21,5%, o equivalente a 1.400 milhões de euros.

O segundo país que mais comprou a Angola foi a Itália, representando 49.650 milhões de kwanzas (265 milhões de euros), com uma quota global de 5,4% do total das exportações angolanas, muito distante da China.

Portugal surge no 11.º lugar da lista, que comprou 26.326 milhões de kwanzas (140 milhões de euros) de produtos a Angola, uma quebra homóloga de 51,3%.

Mais de 95% das exportações angolanas no terceiro trimestre de 2015 foram petróleo, que totalizaram 870.545 milhões de kwanzas (4,6 mil milhões de euros), uma quebra homóloga de 22,9%. Os produtos agrícolas representaram apenas 0,2% do total e 1.885 milhões de kwanzas (10 milhões de euros) no mesmo período.