“A operação resultou (…) na morte de mais de 800 membros da Al-Qaeda e alguns dos seus líderes e pela fuga de outros” ‘jihadistas’, indicou o comando da coligação num comunicado divulgado pela agência oficial saudita SPA.

A ofensiva, levada a cabo pelo exército do Iémen apoiado por “forças especiais da Arábia saudita e dos Emirados Árabes Unidos”, visou permitir ao governo iemenita “recuperar o controlo das cidades que estavam nas mãos da Al-Qaida, nomeadamente, Moukalla, considerada um bastião do grupo”, acrescenta o comunicado.

As forças armadas do Iémen recuperaram Moukalla no domingo, controlada pela Al-Qaida desde abril de 2015, disse por seu turno à agência de notícias francesa AFP um responsável militar.