Rádio Observador

Escolas

Turmas da primária com mais que um professor? Há, mas o Governo quer acabar com elas

416

Há escolas primárias onde os alunos têm mais do que um professor a assegurar as aprendizagens do currículo. O Ministério da Educação quer acabar com isso e dar mais autonomia aos diretores escolares.

O Ministério vai discutir o projeto de despacho de organização do ano letivo com os sindicatos

MARIO CALDEIRA/LUSA

Autor
  • Marlene Carriço
Mais sobre

O Ministério da Educação quer acautelar que os alunos do primeiro ciclo têm apenas um professor a assegurar o ensino de todas as áreas curriculares, pondo fim às práticas que já se vão verificando em algumas escolas primárias. A intenção consta do projeto de despacho de organização do ano letivo que o Ministério da Educação vai discutir nos próximos dias com os sindicatos.

No documento já enviado aos parceiros do setor pode-se verificar que o Ministério de Tiago Brandão Rodrigues pretende incluir no despacho a “recuperação da prática da monodocência no 1.º ciclo do ensino básico, através da clarificação de que o docente titular de turma assegura todas as componentes do currículo com exceção da disciplina de inglês”. Desta forma, o Governo pretende promover “uma abordagem globalizante das aprendizagens como está consagrado na Lei de Bases e no Estatuto da Carreira Docente”.

Este ponto é bem visto por João Dias da Silva. O presidente da Federação Nacional de Educação (FNE) explicou ao Observador que “o primeiro ciclo estava a começar a ficar disciplinarizado, ou seja, havia escolas em que uns professores davam determinadas áreas e outros professores davam outras áreas”, o que “acabava com espírito do professor do 1.º ciclo”.

Já Manuel Pereira, presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE), frisou que “com o aparecimento das atividades de enriquecimento curricular (AEC) houve municípios que começaram a oferecer educação musical, educação física, expressão visual e a área das expressões, que faz parte do currículo, foi repartida e é assegurada pelos professores das AEC”. Por esse motivo, Manuel Pereira antecipa que “os professores que dão AEC podem vir a ser dispensados”.

Maior autonomia para diretores gerirem créditos horários

O projeto de despacho foca-se muito na questão da gestão dos créditos horários (uma espécie de “prémio” que é dado às escolas por terem conseguido melhores resultados e contribuírem para a diminuição do abandono escolar), inscrevendo um “reforço da autonomia da escola, permitindo uma gestão mais flexível da utilização de créditos horários”.

O diretor Manuel Pereira prefere esperar para ver no que isso se traduzirá e lembra que até aqui, “as escolas não tinham, não têm, autonomia para gerir essas horas. Eu não tenho autonomia para, por exemplo, recorrer às horas de crédito para contratar um professor”. E por isso mesmo Manuel Pereira, no seu agrupamento, ainda tem horas de crédito que não pode usar. Os diretores usavam esses créditos sobretudo para dar aulas de apoio a alunos, completar horários incompletos de alguns docentes, entre outros.

Quanto à “flexibilização da gestão de turmas, através do alargamento das possibilidades de desdobramento às disciplinas de português e línguas estrangeiras, para trabalho das componentes de oralidade e de escrita”, que também consta do projeto de despacho enviado às redações, Manuel Pereira arrisca a dizer que se trata de uma “medida redonda, que, na prática, pode resultar em quase nada”, na medida em que terá de ser feito “em função dos recursos disponíveis nas escolas”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)