A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) reúne esta sexta-feira centenas de delegados no 12.º Congresso, no Porto, de onde sairá uma resolução sobre a ação reivindicativa, da educação pré-escolar ao ensino superior, passando pela investigação.

Além de delegados de todo o país, maioritariamente eleitos nas escolas, no congresso estarão delegações estrangeiras, grande parte europeias, mas também de África, América Latina e do Norte, Ásia e Oceânia.

Durante a reunião magna dos professores, serão discutidos temas relacionados com a profissão docente, que a Fenprof considera ter sido “profundamente atacada pelo anterior governo”.

A federação vai também aproveitar o encontro com os convidados de outros países, professores e investigadores, para “cruzar a realidade portuguesa” com outras experiências, com destaque para os países de expressão portuguesa.

Durante o congresso serão assinalados os 50 anos da recomendação da UNESCO e Organização Internacional do Trabalho sobre a Situação dos Professores, os 40 anos da Constituição da República Portuguesa e os 30 da Lei de Bases do Sistema Educativo.