E se Donald Trump chegar a presidente dos Estados Unidos? Não será um golpe assim tão grande para os negócios americanos como receiam alguns. Esta é a opinião defendida por Warren Buffett, um dos investidores mais famosos do mundo. Isto apesar de o presidente da Berkshire Hathaway ser um apoiante convicto e financiador da campanha democrata de Hillary Clinton.

“Seja Donald Trump, seja Hillary Clinton, e é muito provável que um deles seja o novo presidente americano, penso que que a Berkshire vai continuar a prosperar”, afirmou Buffett durante a assembleia anual da empresa que se realiza em Omaha no Nebraska.

O resultado das presidenciais de novembro não deverá mudar o facto de que os Estados Unidos serem um local extraordinariamente atrativo para fazer negócios. As companhias americanas têm beneficiado de lucros fantásticos, apesar de um período de persistentes taxas de juro baixas, acrescentou.

Trump e Clinton são os pontas de lança dos seus partidos numa campanha que tem exposto um elevado descontentamento e frustração em relação a Wall Sreet e à crescente distância entre ricos e pobres. Apesar de bem posicionados para ganharem as primárias dos respetivos partidos, os dois candidatos têm um grau de desaprovação superior a 50%, um nível excecionalmente elevado para esta fase da campanha. Mas Warren Buffett olhar para mais longe.

Daqui a 20 anos, haverá muito maior produção per capita em termos reais do que agora. E em 50 ainda será maior. “Nenhum candidato a presidente, ou presidente eleito, vai mudar isso”.