Perto de completar o último mandato como Presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama esteve pela última vez no jantar da Associação dos Correspondentes da Casa Branca. Com a corrida presidencial ao rubro, Obama não deixou de dar algumas bicadas ao republicano Donald Trump, criticando, com muito humor à mistura, a falta de experiência política do magnata. Com o candidato democrata Bernie Sanders entre os convidados, o Presidente norte-americano também deixou escapar o seu apoio por Hillary Clinton.

Mas, primeiro, os ataques de Obama a Donald Trump. O Presidente norte-americano começou por fazer notar a ausência de Trump na cerimónia. “Uma sala cheia de jornalistas, celebridades e câmaras e [Trump] diz que não. Será o jantar demasiado rasca para o The Donald? O que pode estar ele a fazer? Estará em casa a comer um Trump Steak? Ou a tweetar insultos contra Angela Merkel?”.

A plateia ria e pedia mais. E Obama não poupou a falta de experiência política do milionário — que continua a liderar a corrida presidencial do lado dos republicanos. “[Trump] passou anos a reunir-se com líderes de todo o mundo: com a Miss Suécia, com a Miss Argentina, com Miss Azerbaijão…”, atirou Obama, referindo-se ao concurso Miss Universo organizado pelo magnata.

Numa sala cheia de jornalistas, Obama não deixou de criticar o circo mediático que foi criado à volta de Donald Trump. Com ironia, o Presidente dos Estados Unidos começou por dizer que preferia “não gastar demasiado tempo com Donald” e, dirigindo-se diretamente aos jornalistas, acrescentou: “Seguindo o vosso exemplo, quero mostrar alguma contenção”.

Mas Trump não foi o único candidato republicano alvo da chacota de Barack Obama. Ted Cruz, que recentemente cometeu uma gafe ao referir-se aos habituais cestos utilizados no basquetebol como “anel de basquetebol” (“basketebol ring”), também não escapou à ironia de Obama.

Perante a falta de intimidade de Ted Cruz com um dos desportos mais populares nos Estado Unidos — Cruz nasceu no Canadá — Obama disparou: “Pois, e o estrangeiro sou”.

Em relação às primárias do seu partido, Obama, que se tem mantido discreto e à margem da corrida democrata, não deixou de manifestar, entre linhas, o apoio a Hillary Clinton.

“No próximo ano outra pessoa estará neste lugar, e é difícil saber quem será ela”, afirmou o Presidente norte-americano, provocando risos e aplausos na plateia.

Quanto ao seu próprio futuro, uma certeza: depois de liderar durante oito anos os Estados Unidos da América, “passarei a comandante do sofá”, garantiu Obama.

O jantar da Associação dos Correspondentes da Casa Branca, no grande salão do Hotel Hilton, reuniu aproximadamente 3 mil convidados, entre jornalistas, políticos e celebridades.