Lisboa

Medina diz que Alegre ganhou a honra de fazer parte da história de Portugal por direito próprio

O presidente da C.M Lisboa atribuiu a Medalha Municipal de Honra da Cidade a Manuel Alegre, considerando que o poeta ganhou a honra de fazer parte da história da capital e do país por direito próprio.

PEDRO NUNES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa atribuiu esta segunda-feira a Medalha Municipal de Honra da Cidade a Manuel Alegre, considerando que o poeta ganhou a honra de fazer parte da história da capital e do país por direito próprio.

“Manuel Alegre ganhou, por direito próprio, a honra de fazer parte da História de Lisboa e de Portugal”, afirmou Fernando Medina nos Paços do Concelho de Lisboa.

Perante uma sala cheia, o presidente do município vincou também que “a justiça da entrega da Medalha de Honra da Cidade a Manuel Alegre é, pois, inquestionável”.

O poeta e antigo deputado à Assembleia Constituinte e à Assembleia da República Manuel Alegre foi homenageado no dia em que comemorou 42 anos do regresso do exílio, onde passou uma década.

Quando discursou, Alegre recorreu a uma metáfora ao afirmar que está a “nascer uma terceira vez”, tendo sido a primeira em Águeda, sua terra natal, e a segunda em Coimbra, onde estudou.

“Permitam-me que partilhe esta medalha de honra com a minha família, com todos os companheiros de resistência, todas e todos os que sofreram prisões, torturas, exílios, todas e todos que ao longo de quase meio século nunca se renderam, e mantiveram acesa a chama da liberdade conquistada a 25 de Abril”, salientou.

A cerimónia contou com a presença do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, da antiga candidata à Presidência da República Maria de Belém, do presidente da Associação 25 de Abril, Vasco Lourenço, da presidente da Assembleia Municipal de Lisboa, Helena Roseta, e também de alguns vereadores e deputados municipais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Taxas Moderadoras

Capitulação do bom senso

Diogo Prates

O outro lado da demagogia desta maioria é que enquanto acabam com taxas moderadoras nos cuidados de saúde primários, os antipsicóticos mais recentes deixaram de ter comparticipação a 100%. 

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)