Não pode haver casamentos nem funerais nos próximos dias na Coreia do Norte. E a circulação de pessoas está ainda mais limitada do que o habitual, com buscas a casas ainda também mais frequentes. É este o cenário por estes dias no país, segundo o DailyNK, citado pelo The Independent. Está em preparação o primeiro congresso em 36 anos do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte e Kim Jong-Un deverá aproveitar o acontecimento para consolidar a sua liderança e afirmar o país como potência nuclear.

“A República Democrática da Coreia do Norte junta-se, orgulhosamente, ao conjunto dos poderes com capacidades nuclear e espacial avançadas, ao mesmo tempo que demonstra a imponência do seu poder invencível político-ideológico, militar — estando agora a correr no sentido de criar uma nação altamente civilizada e um poder económico socialista”, pode ler-se no jornal oficial do partido, segundo o The Independent.

O último congresso do Partido de Kim Jong-Un acontece na sequência de uma série de lançamentos de mísseis, o quarto teste nuclear pelo país e ameaças constantes por parte do Líder Supremo da Coreia do Norte de que o país planeia utilizar armas nucleares tendo como alvo os Estados Unidos da América (EUA). Os planos nucleares da Coreia do Norte passaram a constar da Constituição do país a partir de 2012.

Depois de, em janeiro, a Coreia do Norte ter denotado um dispositivo que garantiu ser uma bomba de hidrogénio, em março o Conselho de Segurança da ONU aprovou novas sanções económicas contra o país. Os relatos que chegam da Coreia do Norte é que, apesar das dificuldades económicas, a Coreia do Norte não deixou de investir fortemente na investigação nuclear.