Dark Mode 148kWh poupados com o Asset 1
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Atriz ataca polícia por levar multa e leva raspanete do presidente da Câmara

Bárbara Norton de Matos, grávida, acusava a polícia de lhe passar uma multa com ar de gozo quando deixava a filha na escola. Carlos Carreiras acusa a atriz e o seu pai de insultarem a polícia.

Uma atriz publicou uma queixa numa rede social contra a polícia municipal de Cascais, acusando o agente em causa de passar uma multa com “ar de gozo” enquanto a atriz, grávida de quase nove meses, teria ido deixar a filha à escola, mas o presidente da Câmara de Cascais respondeu à letra, também via redes sociais, acusando a atriz de mentir sobre o que se passou e de, juntamente com o seu pai, atacarem o agente em causa, depois de esperarem calmamente dentro de um café mesmo depois de alertados para a situação que estariam a causar.

A história terá começado quando a atriz Barbara Norton de Matos publicou um texto numa rede social onde dizia que tinha ido levar a sua filha à escola, como o faz todos os dias, e, grávida de nove meses, terá apenas passado num café para comprar uma garrafa de água. A atriz garante que saiu o mais rápido que conseguiu do café e tentou defender-se junto do polícia, que teria ficado indiferente e passado uma multa pelo seu carro estar estacionado ilegalmente com “indiferença e ar de gozo”.

As reações indignadas, típicas das redes sociais, não se fizeram esperar, mas a resposta mais dura chegou do próprio autarca de Cascais, que não gostou do ataque à força policial da cidade que gere e escreveu um longo texto na rede social Facebook para “repor a verdade”.

Carlos Carreiras acusa Bárbara Norton de Matos de mentir sobre o comportamento do agente da Polícia Municipal de Cascais e diz que, não só o carro da atriz estava mal estacionado no lugar destinado aos autocarros que transportam crianças – estando nessa altura um autocarro preso à espera para conseguir estacionar nesse lugar -, como esta estava acompanhada pelo pai, o treinador Luís Norton de Matos, que insultou o polícia e lhe tirou uma foto sem autorizou que disse que iria ser publicada no Facebook, tendo ainda rasgado a multa que passou.

“[Luís Norton de Matos], de imediato, dirigiu-se ao Agente da Polícia Municipal em modos agressivos e impróprios, tendo-lhe mesmo chamado ladrão. De seguida, sem prévio consentimento, fotografou o Agente em pleno exercício das suas funções enquanto dizia “Já está! Vai já para o Facebook!”. Após o aviso da contraordenação ter sido colocado no para-brisas da viatura, o pai da condutora retirou-o desse lugar e, ostensivamente, rasgou-o em vários pedaços, tudo isto na presença de várias pessoas, entre as quais Agentes da PSP pertencentes à Esquadra de Investigação Criminal e o motorista do miniautocarro que aguardava para estacionar no lugar reservado a esses veículos, ocupado pelo veículo em infração”, explicou o presidente da Câmara de Cascais.

Carlos Carreiras garante ainda que o agente da Polícia Municipal não reagiu aos insultos e que este era já tinha começado a passar a multa antes de saber o estado de gravidez da atriz e que a partir daí tem de o terminar. “Ora, não faz sentido que se qualifique como indiferença e desprezo o facto de o Agente não ter reagido aos insultos que lhe eram dirigidos e que, conforme a lei o obriga, tenha continuado a elaborar a informação como é seu dever”, acrescenta.

No final, o autarca de Cascais não termina sem avisar que existem testemunhas que estavam no interior do café que garantem que Bárbara Norton de Matos e o seu pai foram avisados dos constrangimentos que estavam a causar e que continuaram calmamente dentro do café, só tendo saído quando viram surgir o agente e deixa ainda uma mensagem aos dois envolvidos neste caso: “Cada cidadã, ou cidadão, não têm mais direitos ou menos obrigações, caso tenham mais ou menos notoriedade publica por via das suas profissões. Nenhuma cidadã, ou cidadão, seja qual for a sua profissão não têm o direito de desqualificarem, ou desconsiderarem qualquer outra cidadã, ou cidadão”.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.