O presidente da SAD da União de Leiria, Alexander Tolstikov, um assessor deste empresário russo e o diretor financeiro da mesma sociedade, detidos na terça-feira, vão estar presentes esta quinta-feira de manhã, em Lisboa, no primeiro interrogatório judicial.

A Procuradoria-Geral da República anunciou na quarta-feira que os três arguidos serão presentes a um juiz, no Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa, para que sejam aplicadas as medidas de coação.

Em causa estão suspeitas da prática de crimes de fraude fiscal, associação criminosa, branqueamento de capitais, corrupção e falsificação de documentos, referia uma nota da PGR.

As detenções ocorreram no âmbito da ‘Operação Matrioskas’, que conta com mais três arguidos: a SAD e o clube daUnião de Leiria e um advogado com escritório em Lisboa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os três suspeitos foram detidos na noite de terça-feira, horas depois de as autoridades terem realizado buscas às SAD (Sociedades Anónimas Desportivas) da União Desportiva de Leiria, do Sporting e do Benfica, e no estádio do Sporting de Braga.

Entretanto, na quarta-feira, a Europol anunciou que a ‘Operação Matrioska’ permitiu desmantelar uma presumível célula de uma importante rede mafiosa russa, responsável pelo branqueamento de “muitos milhões de euros” desde 2008.

O Serviço Europeu de Polícia, com sede em Haia, explica que a forma de atuação do grupo criminoso consistia em identificar clubes de futebol na União Europeia em dificuldades financeiras, “infiltrando-os” através de “benfeitores”.