Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Poucos dias depois de criticar Barack Obama por ter tomado uma posição pública sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia, Donald Trump manifestou-se a favor do Brexit. “Conheço bem a Grã-Bretanha. Tenho muitos investimentos lá. Penso que eles ficariam melhor fora [da União]. Mas quero que sejam eles a tomar a decisão”, disse o milionário norte-americano e candidato à Casa Branca numa entrevista à Fox News.

Trump salienta que esta frase não é “uma recomendação”, apenas uma convicção pessoal. Tal como a ideia de que “as migrações foram uma coisa terrível para a Europa”. O candidato presidencial acredita que o Reino Unido foi particularmente afetado pela vaga de imigração para o continente europeu e culpa a União por isso.

Ao longo dos últimos meses, Trump tem baseado grande parte da sua campanha numa retórica anti-imigração, sobretudo dirigida contra as pessoas oriundas do México e de outros países sul e centro-americanos. Em junho do ano passado, culpou os mexicanos por uma alegada onda de crime nos Estados Unidos. Depois, em agosto, prometeu deportar 11 milhões de migrantes. E até sugeriu que falar espanhol em comícios eleitorais, como fez Bush, era pouco patriótico. Mais tarde, garantiu que ordenaria a construção de um muro ao longo da fronteira dos Estados Unidos com o México — e que ia enviar a fatura dessa obra aos mexicanos.

Horas antes das declarações sobre o Brexit, Donald Trump partilhou no Twitter uma fotografia a propósito do Cinco de Mayo, um dia amplamente celebrado pelos mexicanos nos Estados Unidos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Feliz Cinco de Mayo! Os melhores taco bowls são feitos no grill da Torre Trump. Adoro os hispânicos!

A declaração não é estranha a quem já tem praticamente garantida a nomeação do Partido Republicano para as eleições de novembro. É que, com a corrida reduzida a apenas duas pessoas, todos os apoios são importantes e os dos eleitores latino-americanos têm-se revelado fundamentais. Este ano, 23,7 milhões de hispânicos terão possibilidade de votar nas eleições dos Estados Unidos, um valor recorde que faz deles o maior grupo étnico a ter direito a voto no país.

A mais do que provável opositora de Trump, Hillary Clinton, não deixou passar despercebida esta declaração do adversário e publicou um vídeo no Twitter com uma compilação de frases do milionário sobre a imigração.