O controlo do gigantesco incêndio que afeta a região da cidade canadiana petrolífera de Fort McMurray vai exigir “semanas e semanas de trabalho”, disse este sábado o diretor do serviço de incêndios da província de Alberta, Chad Morrisson.

Depois de uma semana de inferno, uma mudança do vento deixava antecipar uma melhoria da situação em Fort McMurray, onde foram destruídas mais de duas mil casas, várias localidades evacuadas na região e cem mil pessoas lançadas na estrada.

Desde domingo, mais de mil quilómetros quadrados de floresta foram consumidos pelas chamas, o que correspondem a uma área equivalente a dez vezes a da cidade de Paris.

“Agora, o que precisamos é de chuva. Mas mesmo que a venhamos a ter, vamos ter ainda muitos fogos no ativo e muito trabalho a fazer”, afirmou a primeira-ministra da província, Rachel Notley, na cadeia televisiva pública CBC.

Fort McMurray conheceu um inverno e uma primavera muito secos, com temperaturas claramente acima do normal.

“Vamos precisar de semanas e semanas antes de poder extinguir os fogos”, alertou Morrisson.

Quarenta fogos florestais estavam em atividade hoje em Alberta, dos quais cinco considerados fora de controlo. A combatê-los estavam 1.200 bombeiros, ajudados por 110 helicópteros, 27 aviões de luta contra os incêndios e 295 máquinas de trabalhos públicos, como bulldozers.