O Banco de Investimento Global (BiG) deu esta quarta-feira o primeiro passo no sentido da internacionalização, lançando formalmente as suas operações em Moçambique, como “sinal de confiança no potencial de desenvolvimento” do país.

Falando na cerimónia de inauguração oficial, o presidente da instituição financeira portuguesa, Carlos Rodrigues, afirmou que a aposta no mercado moçambicano resulta de uma forte convicção no progresso do país.

“Com aprendizagem, porque ninguém faz nada sozinho, e determinação, entendemos que somos capazes de dar um contributo para o contínuo crescimento e desenvolvimento deste país”, disse.

O BiG vai, afirmou, empenhar-se na procura incessante de formas de responder às necessidades dos vários segmentos dos agentes económicos moçambicanos, garantindo soluções financeiras inovadoras.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Nos últimos anos, frisou Carlos Rodrigues, Moçambique tem registado níveis de crescimento e expansão económica que justificam a aposta do investimento local e internacional.

Em atividade há cerca de 17 anos em Portugal, o BiG começou as suas operações em Moçambique em março passado.

Com a entrada em funcionamento do BiG, o número de instituições de crédito que operam no mercado moçambicano aumenta para 19, a que se juntam nove microbancos, nove cooperativas de crédito, 12 organizações de poupança e empréstimo e 359 operadores de microcrédito.

Este lançamento acontece num período em que a economia moçambicana está a ser abalada por uma forte desvalorização do metical, aumento da inflação e desaceleração do crescimento, e também pela queda de projetos autorizados de investimento, de cerca de 75% em 2015 face ao ano anterior.

O país enfrenta ainda uma crise política e militar com impacto na economia da região centro do país e os efeitos da revelação de avultados empréstimos garantidos pelo Estado e que fizeram disparar a dívida pública.