No ano em que comemora 60 anos de vida, a Fundação Calouste Gulbenkian preparou uma programação especial com filmes, workshops, sessões de leitura e outras iniciativas. A festa, o Jardim de Verão, arranca a 23 de junho e promete animar o espaço da fundação até 20 de julho

O primeiro evento da longa programação será a inauguração de Linhas do Tempo. As Coleções Gulbenkian. Caminhos Contemporâneos, uma exposição sobre a relação entre as diferentes coleções da Gulbenkian que, a partir de junho, passarão a estar juntas sob a mesma entidade que passará a ser conhecida apenas como Museu Calouste Gulbenkian.

No mesmo dia, será também apresentado o projeto Convidados de Verão, que coloca em diálogo diferentes peças do Museu Calouste Gulbenkian com o trabalho de artistas contemporâneos, como Fernanda Fragateiro. No dia 23, haverá ainda o primeiro de uma série de concertos ao ar livre no Anfiteatro da fundação. A Les Amazones d’Afrique, um coletivo formado por mulheres do Mali, seguir-se-ão atuações de artistas como Waldemar Bastos, Anoushka Shankar e da Orquestra Gulbenkian com Carlos do Carmo e Ivan Lins.

Para além dos concertos do Anfiteatro, a programação do Jardim de Verão inclui também pequenas atuações no jardim e na Sala Polivalente de orquestras clássicas como a Orquestra Gulbenkian e Os Músicos do Tejo. Do Reino Unido, virá o Sacred Sounds Choir, um coro feminino da zona de Manchester que, através da música, celebra as suas diferentes etnias, religiões e culturas.

No que diz respeito à música, um dos pontos altos da programação será o espetáculo Ópera na Prisão, que conta com a participação de jovens reclusos do Estabelecimento Prisional de Leiria. No dia 30 de junho, o grupo irá subir ao palco do Grande Auditório para interpretar a ópera D. Giovanni, de Mozart, acompanhados pela Orquestra Gulbenkian.

No cinema, a programação do Jardim de Verão irá incluir a projeção da trilogia de Miguel Gomes, As Mil e Uma Noites, entre 27 e 29 de junho, e de filmes de Vasco Araújo, João Onofre, João Tabarra, Jan Fabre, Fernando José Pereira, Pedro Barateiro, entre outros. A 30 de junho será projetado o documentário Amadeo de Souza-Cardoso. Le dernier secret de l’art moderne, realizado por Christophe Fonseca no âmbito da exposição do Grand Palais dedicada ao pintor.

A pensar nos mais novos, a Gulbenkian irá ainda organizar sessões de leitura para crianças e jovens com convidados como Pedro Lamares, Marta Madureira, André Letria David Machado, Djaimilia Pereira de Almeida e João Fazenda. E porque o legado arménio não podia ser esquecido nestas comemorações, a cultura arménia será o tema central numa série de iniciativas que incluem workshops, a projeção de filmes e concertos, com desta para a atuação de Tigran Hamasyan, no Anfiteatro.