Rádio Observador

Mulher

Mulheres manifestam-se em Jerusalém contra violência e assédio sexual

300 mulheres juntaram-se nas ruas de Jerusalém, em trajes menores, num movimento que apelidaram de "marcha das rameiras", uma denominação forte que usaram para denunciar ofensas feitas às mulheres.

ABIR SULTAN/EPA

Cerca de 300 mulheres juntaram-se esta sexta-feira nas ruas de Jerusalém, em trajes menores, num movimento que apelidaram de “marcha das rameiras”, uma denominação forte que usaram para denunciar ofensas feitas às mulheres, informa a agência France-Presse.

Organizada desde 2012, em Jerusalém, este ano a polícia exigiu que as mulheres que tencionassem participar na marcha o fizessem sem estar nuas da cintura para cima, disseram as organizadoras, pelo que muitas desfilaram de sutiã ou de ligas.

“A polícia autorizou a marcha mas foram-nos impostas várias restrições”, explicou Tamar Ben David, uma das organizadoras.

“Explicaram-nos que era proibido andar na rua com os seios à mostra e nós não queríamos chocar ninguém,” acrescentou.

Ao contrário de Telavive, considerada uma das cidades mais liberais do mundo, Jerusalém é uma cidade conservadora com uma numerosa população religiosa, seja judaica, ortodoxa, muçulmana ou cristã.

Em março de 2015, uma jovem foi morta e seis outras pessoas foram feridas por um judeu ultraortodoxo, durante uma ‘Gay Pride’ (marcha pelos direitos dos homossexuais, bissexuais e transgénicos).

As organizadoras da “marcha das rameiras” apelaram esta sexta-feira à Associação dos Direitos Cívicos em Israel para certificarem-se de que a polícia não proibiria o desfile, disse Yaron Kelner, porta-voz da organização.

Uma das manifestantes, Orr Hod, que participou no encontro exibindo roupa interior muito sugestiva, explicou que já não suporta o assédio sexual e que as mulheres violadas sejam consideradas culpadas.

No desfile, algumas participantes levavam cartazes nos quais se lia “Recusamos ser vítimas” ou “27 mulheres matadas anualmente”.

A marcha começou perto de um bairro ultraortodoxo judeu, no qual as mulheres apenas podem mostrar a cara e as mãos.

Iniciativas semelhantes foram organizadas em dezenas de grandes cidades, como Toronto, Auckland, Wellington, Nova Deli, Filadélfia, Seul, Sidney, Washington, Paris e Berlim.

Este tipo de marchas nasceu em 2011, em Toronto, onde centenas de homens e mulheres desfilaram para protestar contra as palavras proferidas por um agente policial que considerou que as “mulheres deveriam evitar vestirem-se como umas rameiras para evitar serem vítimas [de agressões]”, noticia o jornal Le Monde.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pais e Filhos

O lado feminino dos homens /premium

Eduardo Sá
107

Pergunto-me o que é que aconteceria se nós chamássemos ao "lado de leoa" duma mãe, por exemplo, "o lado masculino" de uma mulher. Tenho medo que, de dedo em riste, alguém achasse sexista…

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)