No passado, era rara a viagem que não envolvesse a compra ou envio de um ou mais postais ilustrativos da beleza local, fosse para fazer inveja a quem estava do outro lado, ou, simplesmente, para mais tarde recordar. E os ditos postais, com layouts mais ou menos kitsch, ainda sobrevivem nos dias de hoje. Mas a verdade nua e crua é que estão a perder terreno para a tecnologia — é bem mais fácil enviar uma fotografia via smartphone do que confiar na eficácia dos Correios — ou para outro género de souvenirs modernos, dos ímanes às canecas, dos porta-chaves às t-shirts com a mensagem “I <3 (inserir cidade)”.

No entanto, recorrendo a sites de colecionismo, como o Delcampe.net, onde se compram e vendem recordações antigas de praticamente todo o mundo, é muito fácil fazer uma pequena viagem no tempo e descobrir, por exemplo, como é que Lisboa era retratada nos postais dos anos 60 do século passado. Foi o que fizemos. Para apanhar boleia, basta navegar na fotogaleria, em cima.