Rádio Observador

Fotogaleria

Cristo Rei. Há 57 anos a abraçar Lisboa em 46 fotos

881

Foi no Pentecostes de 1959 que a estátua de Jesus se mostrou em Almada, de olhos para a capital. "Será um sinal de gratidão pelo dom da paz”, prometeu o cardeal. Imagens da construção e inauguração.

Câmara Municipal de Almada

Quando D. Manuel Gonçalves Cerejeira, cardeal patriarca de Lisboa entre 1929 e 1972, viu o Cristo Redentor do Rio de Janeiro (Brasil) pela primeira vez quis ter na capital portuguesa uma estátua suficientemente imponente a olhar pelo país. Apenas dois anos após a visita às terras de Vera Cruz, o patriarca dirigiu-se ao Apostolado da Oração para transmitir esse anseio. Estávamos em 1936. No ano seguinte, todos os bispos tinham aprovado a construção do “monumento da Paz”, como lhe chamavam os altos cargos da Igreja Católica em Portugal por o país ter sido ‘poupado’ e ficado neutral na II Guerra Mundial.

Havia bons motivos para depositar as esperanças de uma maior tranquilidade em Portugal no Cristo Rei. Bastava olhar para o passado recente. As consequências da I Guerra Mundial, que tinha terminado havia menos de vinte anos, ainda se faziam sentir: os países ainda estavam a reerguer a sua estrutura económica, a lidar com crises de superprodução e a pagar dívidas aos países fornecedores de armas. Em 1929, os Estados Unidos tinham arrastado o mundo para uma recessão económica abismal que havia de durar toda a década seguinte. Havia desemprego, havia pobreza e, portanto, muita revolta.

Nasceram os movimentos radicais um pouco por toda a Europa, nomeadamente na Rússia, na Alemanha e mesmo aqui ao lado em Espanha. Por cá, a poeira do golpe de 28 de maio de 1926 ainda não tinha assentado e o descontentamento social atravessava vários estratos sociais em Portugal. Os ânimos só acalmaram quando Óscar Carmona venceu as eleições presidenciais de 1928 e quando Oliveira Salazar assumiu a pasta das Finanças. Cinco anos depois, Salazar tornou-se chefe de Governo e nasceu o Estado Novo, com vida longa até 1968. E tudo o que se sabe.

Foi nesta aparente calma em relação aos países europeus que a Igreja encontrou um dos argumentos para a construção do Cristo Rei: Portugal tinha de estar grato pelo clima de paz e “progresso espiritual” em que supostamente vivíamos (o resto não contava) e a estátua gigante de Jesus Cristo era um tributo ao filho de Deus. Além disso, no mesmo ano em que foi anunciada oficialmente a ideia construção da estátua, a irmã Lúcia, um dos três videntes de Fátima, desvendou um dos segredos que a Virgem lhe terá transmitido em 1917:

Nossa Senhora afirmou que era essencial o sacrifício pelos pecadores e entre várias profecias, acrescentou que a Rússia haveria de espalhar os seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja, algo que estava a ser cumprido, pois para além do governo comunista deste país de leste da Europa, também o México era governado pela mesma ideologia.

Entretanto iniciou-se a II Guerra Mundial. Apenas um ano depois do início do conflito, os bispos nacionais reuniram-se em Fátima para um retiro e tornaram pública uma promessa da Igreja:

Se Portugal fosse poupado da Guerra, erguer-se-ia sobre Lisboa um Monumento ao Sagrado Coração de Jesus, sinal visível de como Deus, através do Amor, deseja conquistar para Si toda a humanidade.

O país assumiu uma posição de neutralidade e a Igreja começou a reunir fundos para investir na construção: devagar, porque o contexto de guerra o exigia, foi adquirido o terreno para a construção em 1941.

Cinco ano depois, o Episcopado reassumiu a promessa e a campanha de angariação de fundos começou a dar cada vez mais frutos. O Cristo Rei foi então desenhado pelo Mestre Francisco Franco. A 18 de dezembro de 1949 foi depositada a primeira pedra e três anos depois a Obras Públicas e Cimento Armado começou a construir os alicerces. Dez anos e 40 mil toneladas de betão depois, o Cristo Rei começou a abraçar Lisboa: foi a 17 de maio de 1959, dia de Pentecostes. A estátua foi inaugurada perante a imagem de Nossa Senhora de Fátima, perante os cardeais do Rio de Janeiro e de Maputo, e na presença de 300 mil civis. O Papa João XXIII participou através de uma rádio-mensagem. E o Cardeal Cerejeira sublinhou então: “Este será sempre um sinal de gratidão nacional pelo dom da Paz”.

Passados 57 anos, recordamos a construção e a inauguração do Santuário Nacional de Cristo Rei com as imagens da Câmara Municipal de Almada. Há 46 fotografias para ver. Entre na fotogaleria.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)