Christopher Reid, diretor executivo de uma empresa de segurança, foi o responsável pela bomba falsa deixada no estádio Old Trafford, em Manchester, Reino Unido. O “pacote suspeito” que tinha um telefone ligado a um tubo com cabos levou à evacuação do estádio (no domingo passado) e ao adiamento para esta terça-feira do jogo entre o Manchester United e o Bournemouth.

O polícia reformado reconheceu que tudo se deveu a um “lapso nos protocolos de trabalho”. “O erro é inteiramente meu, tenho de assumir a responsabilidade total”, afirmou citado pela BBC.

“Estou completamente devastado que um lapso tenha resultado em desapontamento, medo e inconveniente para tanta gente”, acrescentou Christopher Reid.

O engenho consistia num telefone ligado a canalizações, alegadamente de gás, por uns cabos, semelhante a um engenho explosivo, mas tratava-se na verdade de um dispositivo semelhante às bombas usado em simulacros de segurança. A polícia fez explodir engenho de forma controlada e confirmou que não representava uma ameaça real.

https://twitter.com/4nnak/status/732253762337693696

O dispositivo ficou esquecido no estádio depois da empresa de segurança Security Search Management and Solutions Ltd., da qual Christopher Reid é diretor, ter estado em Old Trafford a realizar um exercício com cães. Mas como o engenho não continha material explosivo não foi encontrado pelos animais e acabou por ficar esquecido numa casa-de-banho.

O exercício tinha sido levado a cabo pela polícia de Manchester que tinha organizado um simulacro de operação antiterrorismo, na qual a empresa privada participou. O procedimento era um teste à capacidade de resposta da segurança a ataques como o ocorrido a 13 de novembro de 2015, no Estádio de França, nos atentados de Paris.

“Uma vez que a situação foi identificada, o clube e a polícia não tinham outra opção a não ser tratar o assunto como uma potencial ameaça terrorista; não poderíamos ter assumido que era um erro de exercício de treinamento. Se voltarmos a enfrentar a mesma situação no futuro, agiremos da mesma forma”, declarou em comunicado Ed Woodwar, vice-presidente do Manchester United.

Há 24 anos que um jogo da Liga inglesa não era adiado por razões de segurança e o erro terá custado ao Manchester United três milhões de libras (cerca de 3,8 milhões de euros).

O jogo realiza-se esta terça-feira às 20h00 e quem tinha ingresso para assistir ao jogo de domingo pode ir de novo ao estádio. O Manchester United vai reembolsar todos os adeptos que compraram bilhete e não possam ir ver o encontro.