A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (FNSTFPS) anunciou que convocou uma greve às horas extra dos vigilantes e rececionistas na Noite Europeia dos Museus, que decorre no sábado.

De acordo com um comunicado divulgado pela Federação, estes trabalhadores foram notificados para trabalhar nesse dia das 10:00 às 24:00, para além da sua jornada normal.

Hoje, Dia Internacional dos Museus, os museus, palácios e monumentos da tutela da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) têm entrada livre e na Noite dos Museus, a 21 de maio, estarão abertos gratuitamente a partir das 17:30, com um programa de atividades próprio.

De acordo com a FNSTFPS, a greve visa “exigir do Governo o fim da precariedade e o pagamento do trabalho extraordinário de forma condigna”.

“Trabalham sábados, domingos e feriados e, agora, em nome dos festejos, estão a ser notificados para trabalhar das 10.00 às 24.00”, acrescenta, no comunicado.

“A persistente falta de pessoal, que há anos denunciamos, tem agravado as condições de trabalho nos museus, palácios e sítios arqueológicos”, justifica a federação.

Na terça-feira, na primeira audição do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, na comissão parlamentar de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, o governante anunciou ter chegado a um acordo com o apoio do Ministério das Finanças para que sejam prolongados os contratos dos “mais de cem funcionários dos museus” que estavam em risco de serem dispensados.

A Lusa contactou a Direção-Geral do Património Cultural sobre a greve convocada pela FNSTFPS e aguarda uma resposta.