Açores

Conserveira leva nome dos Açores aos quatro cantos do mundo

382

Da falência ao sucesso empresarial, a conserveira Santa Catarina, na ilha de São Jorge, tem levado o nome da Calheta, nos Açores, ao mundo, com produtos que têm conquistado prémios internacionais.

A conserveira Santa Catariana produz atum com batata-doce, pimenta da terra, molho cru, sementes de funcho e óleo biológico

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

“Em 2015, vendemos para países como o Japão, passando pela China, Polónia, à República Checa, Itália, Inglaterra, Dinamarca até aos Estados Unido e Canadá. Estamos, realmente, nos continentes todos, com exceção da Austrália”, afirma à agência Lusa o presidente da administração da conserveira, Rogério Veiros, adiantando que mais de 50% da produção anual é já para exportação.

Esta conserveira existe na vila da Calheta desde a década de 1940 mas, depois de vários anos parada, foi reativada pela Câmara Municipal em abril de 1995 e, em 2009, foi adquirida pelo Governo Regional, tendo ganhado “nova vida”.

Numa ilha conhecida essencialmente pelo queijo de São Jorge, a produção de conservas tem vindo, nos últimos 20 anos, a conquistar notoriedade e credibilidade interna e externa, aliando métodos de produção ancestrais à qualidade e tecnologia, adianta Rogério Veiros.

atum-santa-catarina-acores-conjunto-6-conservas-662104

“A Santa Catarina, que hoje emprega 130 funcionários, a grande maioria mulheres, ao longo destes anos apostou na diferença e tem recebido prémios nacionais. Iniciou o ano passado um processo de submissão das suas conservas a concursos internacionais e já fomos premiados naqueles que são considerados os ‘Óscares’ dos produtos alimentares”, destaca o responsável, dizendo acreditar que a conserveira irá começar a ter resultados líquidos positivos dentro de dois anos.

Manuela Santos, de 42 anos, é uma das duas funcionárias mais antigas na conserveira, empresa para a qual entrou em 1995 e, desde então, tem assistido à sua consolidação.

“Quando entrei fazia de tudo, desde atendimento ao público, lançamento da gestão da conta corrente, processamento de vencimentos. Trabalhava seis meses por ano”, lembra, acrescentando que era o período durante o qual havia matéria-prima para laborar.

A funcionária, atualmente chefe dos serviços administrativos, adianta que “foi assim durante bastante tempo”, mas quando a conserveira cresceu começou a trabalhar o ano todo “os serviços foram separados por áreas”.

Manuela Santos assegura que “o ambiente foi e continua a ser familiar” numa empresa que nada tinha em 1995 e que com o tempo foi sendo apetrechada, primeiro com uma máquina de escrever, depois uma calculadora e, mais tarde, com computadores e sistemas informáticos.

“Nunca imaginei trabalhar numa conserveira, mas gosto. Foi um amor que foi crescendo”, afirma a funcionária, destacando a importância da fábrica para o desenvolvimento económico e social das famílias, do concelho e da ilha.

santacatarina3

Atualmente, a Santa Catariana produz atum com batata-doce, pimenta da terra, molho cru, sementes de funcho e óleo biológico, entre outros, uma gama em constante evolução, cumprindo padrões internacionais de qualidade inerentes à certificação obtida em 2015 na área de indústria alimentar, informa o administrador.

Do plano de investimentos para 2016 faz parte a aquisição de um armazém em Lisboa, que servirá como centro logístico para a operação da conserveira no continente e mercado de exportação.

Rogério Veiros adianta que, atualmente, a indústria conserveira nos Açores, que passou de sazonal a permanente, dá emprego a 750 pessoas, em diferentes empresas dispersas por várias ilhas do arquipélago.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
153

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Taxas Moderadoras

Capitulação do bom senso

Diogo Prates

O outro lado da demagogia desta maioria é que enquanto acabam com taxas moderadoras nos cuidados de saúde primários, os antipsicóticos mais recentes deixaram de ter comparticipação a 100%. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)